Publicidade
Manaus
AV. DAS FLORES

Moradores que vivem próximo a avenida das Flores reclamam da demora na obra

Além de problemas respiratórios e a sujeira causados pelas obras, os moradores das áreas afetadas também reclamam de problemas de locomoção no local 01/08/2017 às 16:48 - Atualizado em 01/08/2017 às 16:49
Show 777777
(Foto: Winnetou Almeida)
Álik Menezes Manaus (AM)

Com atraso de dois anos, as obras na avenida das Flores, na Zona Norte, causam transtornos e problemas de saúde aos moradores da área afetada pelos trabalhos. O novo prazo para entrega total da obra ficou para 2018.

Segundo o projeto, a avenida terá 11,1 quilômetros de pista. O prolongamento partiu da avenida Timbiras, na Cidade Nova, s segue até a rodovia AM-010. O investimento será de R$ 244,4 milhões do Governo Federal.

Após dois anos, a avenida possui apenas dois trechos em pleno funcionamento, a avenida das Governador José Lindoso, a avenida das Torres, com 6,2 km, considerado o trecho 1, e 6,5 km do trecho 4 da avenida das Flores, localizado entre a rua 7 de maio, na Zona Norte de Manaus, e a AM-010.

Com as obras em atraso quem sofre são os moradores. A dona de casa Maria do Socorro, 50, contou que as crianças e os idosos da rua Martinho Lutero, localizada no conjunto Carlos Braga, são so mais prejudicados, eles sofrem com problemas respiratórios causados pela poeira.

“A gente não é contra a obra porque a gente sabe que a avenida vai ser boa para todo mundo quando for concluída. Mas o problema é que estão nessa enrolação há muito tempo e a gente sofre com isso. As crianças e os idosos têm problema com a poeira do barro. As casas têm que ficar fechadas o dia todo”, disse.

Além de problemas respiratórios e a sujeira causados pelas obras, os moradores das áreas afetadas pela obra também reclamam de problemas de locomoção. No conjunto Carlos Braga não tem escolas e as crianças precisam atravessam o canteiro de obras para chegar até o conjunto Nova Cidade onde estudam.

“É perigoso porque as máquinas passam por aqui direto e não tem nenhuma placa ou orientação para a gente atravessar com segurança, a gente precisa atravessar aqui porque é o único acesso”, contou a dona de casa Maria do Perpétuo Socorro da Conceição, que mora no conjunto há 10 anos e não aguenta mais as obras. “Peço a Deus todo dia que esse tormento acabe. Eu sei que é um trabalho importante, mas parece que nunca acaba e a gente sofre com isso”

Para a dona de casa Angela Saiff, 62, o pioro ficou para trás. A poeira, o barulho das máquinas e a lama em dias de chuva não afetam mais tanto a rotina diária da família, mas a conclusão das obras é o sonho de toda a comunidade. “O pior já passou. É desconfortável toda essa situação, mais longe já esteve. Agora é torcer para essa obra não ser interrompida novamente”.

Trechos 2, 3 e 4 em andamento

Segundo a Secretaria de Estado de Infraestrutira (Seinfra), os trechos 2, 3 e 4 estão em pleno andamento e a previsão de entrega é de até o próximo ano.

No trecho 2, a construção da primeira trincheira pela avenida Timbiras está em funcionamento na parte superior do acesso. Na parte inferior foram construídas as cortinas laterais da passagem de nível e execução dos serviços de concretagem do piso da trincheira e do concreto projetado do muro de contenção da passagem subterrânea.

De acordo com a Seminf, está sendo realizado o serviço de perfuração das estacas raiz da trincheira da Avenida Noel Nutels e esse trecho está com percentual físico em 49% de obra concluída.

Problemas

O titular da Seinfra, Américo Gorayeb Júnior, afirmou que o atraso na obra foi causado por conta das chuvas e pelo processo de desapropriação, mas adiantou que os trabalhos no trecho 3 e 4 devem ser concluídos em setembro desse ano enquanto o trecho 2 será finalizado no início de 2018.

Publicidade
Publicidade