Publicidade
Manaus
PRESO

Motorista que atropelou e matou idosos tem prisão convertida para preventiva

Durante audiência realizada nesse domingo (18), o motorista, que não tinha CNH, também afirmou que não sofreu nenhum tipo de violência no momento da prisão por parte dos policiais 19/02/2018 às 11:20 - Atualizado em 19/02/2018 às 14:50
Show acidente idosos
O homem vai continuar preso em uma das unidades de detenção de Manaus (Foto: Divulgação)
Amanda Guimarães Manaus (AM)

A Justiça do Estado do Amazonas converteu a prisão em flagrante de Welington Silva de Almeida, de 31 anos, em preventiva, durante audiência de custódia, realizada na tarde desse domingo (18), em Manaus. O homem atropelou e matou dois idosos na avenida Major Gabriel, no Centro de Manaus. Um outro senhor também ficou ferido. Segundo a Polícia Civil, ele não tem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e dirigia embriagado.

Durante a audiência, Welington afirmou para o juiz "que não sofreu nenhum ato de violência no momento de sua prisão por parte dos policiais". Depois, o magistrado determinou a conversão da prisão.

Segundo a delegada plantonista do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), um exame de alcoolemia confirmou alta dosagem de álcool no sangue do condutor. A autoridade policial também destacou que Welington foi indiciado por homicídio culposo de trânsito majorado e lesão corporal.

Acidente

Welington dirigia o veículo Fiat Strada de cor branca e placas PHC-5632 quando, por volta das 21h desse sábado (17), perdeu o controle da direção, invadiu a calçada atropelando três idosos que estavam sentados em volta de uma mesa em frente a uma lanchonete na avenida Major Gabriel, Centro. Apenas um idoso sobreviveu.

As vítimas fatais são o oficial militar aposentado Almir de Alencar Sobreira, de 77 anos, e o também aposentado Jefferson Cassiano Veiga da Silva, de 79 anos. A vítima sobrevivente é o empresário José Lázaro Conte, de 72 anos, que sofreu ferimento na perna direita. Todos os três eram amigos.

Com a batida, Welington sofreu escoriações. “Um carro veio em alta velocidade, aproximadamente a 120 quilômetros por hora, nos pegou sentados do lado de uma lanchonete. Estávamos lanchando. Foi um livramento (eu ter sobrevivido)”, disse emocionado, Lázaro Conte, em entrevista ao Portal A Crítica.

Publicidade
Publicidade