Publicidade
Manaus
MANIFESTAÇÃO

Motoristas da Uber fazem protesto contra PL no Senado que busca regular transporte

Mais de mil motoristas que atuam na capital amazonense saíram em carreata da avenida das Torres 30/10/2017 às 09:50 - Atualizado em 30/10/2017 às 11:08
Show 536da6a5 9081 4078 b63e c791b8e4f8bd
Foto: Victor Gouvêia
acritica.com Manaus (AM)

Pelo menos mil motoristas que prestam serviço para empresa Uber iniciaram na manhã desta segunda-feira (30), em Manaus, uma manifestação contra o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 28/2017, que atualmente tramita no Senado Federal e que busca regulamentar o transporte por aplicativo no País. Debaixo de forte chuva, a mobilização seguiu por vias da cidade.

A concentração dos motoristas começou por volta das 7h na avenida das Torres e na avenida Visconde de Porto Seguro, no bairro Parque 10, Zona Centro-Sul de Manaus. Por volta das 9h, eles seguiram para a avenida Constantino Nery, nas proximidades da Arena da Amazônia.

Os motoristas são contra dois pontos contidos no PLC 28/2017. A votação do projeto acontece nesta terça-feira (31). Nele, os motoristas parceiros precisariam utilizar placas vermelhas, o que acarretaria na cobrança de impostos, e também serem os proprietários dos carros, tornando inviável alugar veículos, por exemplo.

O representante da Uber em Manaus, Rômulo Henrique Rocha, vai acompanhar em Brasília (DF) a votação do projeto de lei. Segundo ele, o projeto seria uma “proibição disfarçada de regulamentação”, pois restringe a atividade em pontos cruciais para o desenvolvimento do serviço.

“No projeto, todo motorista que realizar o serviço precisa ser o proprietário do carro. Há diversos casos de pessoas que alugam carro pra fazer trabalho. Há muita gente desempregada sem dinheiro pra comprar um carro. Quem perde somos nós, pais de família, e a sociedade como um todo, que deixa de ganhar um serviço de qualidade”, declarou.

O motorista da Uber, Ney Menezes, de 28 anos, é autônomo e afirma ganhar mais dinheiro com o serviço do aplicativo do que em outras funções. “Tenho uma filha de seis anos e preciso arcar com as despesas da casa. Sou contra esses quesitos, pois nosso serviço fica prejudicado. É muito bom regularizar, mas nossos governantes precisam se conscientizar de que muitas pessoas vão perder uma renda extra se for tratado dessa forma”.

Em carreata, a manifestação seguiu para a avenida Constantino Nery.

*Colaborou o repórter Danilo Alves, da TV A Crítica 

Publicidade
Publicidade