Segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2020
PRESSÃO

Motoristas de apps questionam na ALE-AM fechamento da CPI dos Combustíveis

Grupo pressiona deputados para a realização de projetos que possam beneficiar a categoria que sofre com a alta do preço da gasolina



4_79_768DA1AE-5E2E-43F2-B89C-B8AC20E7A8BE.JPG Foto: Euzivaldo Queiroz
27/01/2020 às 11:07

Motoristas de transporte por aplicativo urbano reuniram-se na manhã desta segunda-feira (27) para questionar na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), localizada no bairro Flores, Zona Centro-Sul de Manaus, para reclamar do fechamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Combustíveis, ocorrido em agosto de 2019, que apurava irregularidades nos preços da gasolina e adustíveis.

De acordo com o Sistema de Levantamento de Preços (SLP) da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em pesquisa feita em 43 postos de combustíveis no período de 19 a 25 de janeiro deste ano, o preço máximo da gasolina comum em Manaus repassado ao condutor é de R$ 4,79. O mínimo no valor encontrado pelo órgão foi  R$ 4,50.



O representante dos motoristas por app, Alexandre Matias, declarou na entrada da Aleam que a alta nos preços dos combustíveis prejudica o trabalho da categoria. "Temos que tirar 20% do valor para a gasolina. E com o preço de R$ 4,79 fez cair o rendimento do motorista", disse. Segundo Matias, circulam em Manaus 60 mil motoristas por aplicativo, o que também influencia a queda dos rendimentos.

"Em 2019 ganhávamos, diariamente, com a corrida em torno de R$ 100. Hoje chega a metade disso. E com a gasolina elevada não temos lucro algum. Nós queremos saber porquê os deputados fecharam a CPI e se possuem algum projeto para a categoria", declarou Alexandre Matias.

A líder da então CPI dos Combustíveis, a deputada estadual Joana Darc (PR) e o deputado estadual Álvaro Campelo (Progressistas), membros da extinta comissão, estão reunidos na Sala Rio Negro, situada no subsolo da casa legislativa, a portas fechadas com cinco lideranças da categoria de motoristas de transporte por aplicativo.

Alternativas a gasolina

Para driblar o alto preço da gasolina, Alexandre Matias salientou a utilização do Gás Natural Veicular (GNV). "Em outros Estados do Brasil os motoristas por aplicativo tem redução de impostos para quem utiliza o GNV no carro. Aqui não temos um incentivo para instalar o combustível. Manaus é, teoricamente, uma cidade ecológica e não temos um Projeto de Lei (PL) nesse sentido", pontuou Matias.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.