Publicidade
Manaus
VIOLÊNCIA

Motoristas de ônibus denunciam mais de dois assaltos por dia cometidos pelo mesmo trio

Segundo trabalhadores das linhas 500 e 550, crimes ocorrem em três horários diferentes. Sinetram afirma que de janeiro a setembro, o número de assaltos caiu 47% 13/10/2018 às 02:34 - Atualizado em 13/10/2018 às 10:57
Show 550 a234ab4e 3895 41b6 b577 4d875e5b81be
Foto: Arquivo/AC
Karol Rocha Manaus (AM)

Motoristas e cobradores das linhas de ônibus 500 e 550 estão cansados da onda de assaltos nos coletivos comandada sempre pelo mesmo trio, em Manaus. Segundo um motorista que não quis ser identificado temendo represálias, os assaltos acontecem pela manhã, por volta das 10 horas, e à tarde, entre 14 horas e 18 horas. De acordo com ele, os crimes acontecem há mais de 90 dias, em diferentes horários e pelo menos duas a três vezes ao dia

Os bandidos anunciam os assaltos nas imediações do ponto final das linhas, na avenida Tenente Roxana Bonessi, no bairro Monte das Oliveiras, na Zona Norte de Manaus. “Eles entram no Terminal 1 ou 2, ficam entre aquela parte articulada do ônibus para ninguém vê-los, já que o ônibus fica completamente lotado. Eles assaltam próximo ao final da estação. Geralmente, eles vão pra cima do motorista e do cobrador levando toda a renda da viagem. Eles estão ora armados, com uma caseira, ora desarmados”, disse.

As denúncias já foram registradas nos 15º e 18º Distritos Integrados de Polícia (DIP). “Fizemos vários B.Os e nada é feito. Quando questionados, os policiais dizem que só podem fazer algo quando em flagrante. A gente já está cansado dessa palhaçada, todo o dia é a mesma coisa e ninguém faz nada. São os mesmos caras e eles não têm medo. Eles entram mesmo e assaltam. Outras linhas também foram vítimas, o 310 e 455”, completou o motorista.

A equipe de A CRÍTICA esteve na estação onde ficam as linhas e conversou com os motoristas e cobradores. Todos confirmam a ocorrência de assaltos frequentes. “Aqui não pode passar moto que já ficamos em alerta. Temos medo, mas temos que trabalhar, né?”, disse outro motorista.

Um cobrador está afastado do trabalho por conta da onda de assaltos. “Em dois meses que eu estava na linha, fomos assaltados três vezes. Fui afastado por causa dessas ocorrências mesmo. Eu não conseguia nem trabalhar com aquele síndrome do pânico, a gente chegava na linha já com medo, trabalhava já com medo, olhando para todos os lados”, disse o cobrador.

Procurada, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM) não se manifestou até o fechamento desta reportagem.

Sinetram orienta vítimas a denunciarem

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) informou ontem que em casos de assaltos os colaboradores são orientados a registrar o Boletim de Ocorrência (B.O) em delegacias e que as empresas fornecem as imagens das câmeras de segurança dos veículos para que a polícia possa identificar e prender os criminosos.

Sem citar que ações, o Sinetram informou ainda que as empresas de transporte coletivo, juntamente com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM), têm atuado visando coibir esse tipo de prática.

Conforme o Sinetram, setembro foi o mês que registrou o menor número de assaltos a ônibus coletivos durante o ano, totalizando 146 ocorrências. De janeiro a setembro, a redução foi de 47%, apresentando a queda mensal de, em média, de 7% nos crimes dessa natureza.

Publicidade
Publicidade