Sábado, 25 de Janeiro de 2020
Manaus

Motoristas desrespeitam Faixa Azul da Mário Ypiranga no primeiro dia de fiscalização

Depois de um mês de testes, a fiscalização da avenida, com aplicação de multas para infratores, iniciou na manhã desta segunda-feira



1.jpg Agente de trânsito precisou orientar motoristas no primeiro dia de fiscalização na Faixa Azul da av. Mario Ypiranga
06/04/2015 às 16:07

Depois de 30 dias de testes, começou nesta segunda-feira (6) a fiscalização na “Faixa Azul” da Avenida Mário Ypiranga Monteiro (antiga Rua Recife), Zona Centro-Sul de Manaus, pelo Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans). O corredor começa após o viaduto Miguel Arraes e se estende até a Rua Teresina, no bairro Adrianópolis.

Conforme a Prefeitura, podem trafegar na Faixa Azul ônibus articulados e adaptados, veículos de transporte escolar, ambulâncias, táxis, ônibus especiais e carros do Corpo de Bombeiros, das polícias e de órgãos de trânsito, desde que identificados.



No primeiro dia, foi grande o número de condutores que desrespeitaram a nova lei. Uns trafegam normalmente, outros usam o pisca-pisca ligado para o lado direito apenas para passar a imagem de que vai dobrar na próxima esquina, mas seguem direto na faixa proibida. O lançamento foi no cruzamento entre as ruas Mário Ypiranga Monteiro e Salvador, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul.


O Cel. Bernardo Encarnação, diretor de operações e fiscalização do Manaustrans, reforçou a orientação aos condutores que trafegam pela Mário Ypiranga Monteiro. “Se o cidadão está saindo do hospital 28 de Agosto, continuar na Faixa Azul e passar direto na Rua Salvador ou nas demais, vai ser multado. Se for dobrar à direita, use o pisca. Ficou muito melhor que na avenida Constantino Nery, porque sobraram três pistas”, relata o diretor.

Ele disse também que o Manaustrans ainda não tinha contabilizado o volume de veículos multados no primeiro dia de Faixa Azul na segunda avenida sinalizada.

O autônomo Valdemir Santiago, 18, mora no Parque São Pedro, Zona Oeste, é usuário de transporte coletivo, e percebeu claramente a diminuição do tempo em seu trajeto até o final da avenida sinalizada. “Para quem anda de ônibus ficou excelente. Cheguei bem mais rápido ao trabalho, com quarenta minutos de diferença”, confirma Santiago.

Para a estudante Maria Luzia Lopes, 26, que veio do bairro Terra Nova 2, Zona Norte, a pista exclusiva não foi muito vantajosa, justamente porque muitos carros de passeio comuns continuam trafegando na pista demarcada. “O Manaustrans tem que aumentar a fiscalização, porque os outros carros só saem da Faixa Azul quando chegam próximo da fiscalização”, alerta a estudante.


Segundo o técnico em sinalização semafórica, Dantes Paulaim, 50, devido a fiscalização na Faixa Azul, foram feitos ajustes nos sinais para que funcionem, automaticamente, de acordo com os horários.

Radares móveis

De acordo com o Cel. Encarnação, diretor de operações e fiscalização do Manaustrans, nesta terça-feira ou na quarta começam a funcionar os radares móveis, em substituição aos fixos que estão desativados desde o dia 8 de março, data em que terminou o contrato da empresa Consladel com a Prefeitura de Manaus. Os “móveis” serão operados por agentes de trânsito do Manaustrans. Ontem ainda faltavam ser definidos os locais onde ficarão os agentes.

Placas brancas

A direção do Manaustrans confirmou nesta segunda-feira (6) que carros com placas brancas não estão liberados para circular na Faixa Azul. Apenas ônibus de transporte coletivo, táxi, ambulância, polícias, bombeiros e veículos dos órgãos de trânsito, devidamente identificados.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.