Publicidade
Manaus
Manaus

Mototaxistas reprovados em licitação realizam novo protesto em frente à SMTU, em Manaus

Manifestação mobilizou cerca de 60 motoqueiros em frente à sede do órgão. Trabalhadores exigem novo prazo para adequação de acessórios. Órgão informou que ainda não possui um posicionamento 03/10/2014 às 17:52
Show 1
Grupo se mobilizou em frente ao órgão para exigir nova licitação
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Dezenas de mototaxistas que não foram selecionados em licitação pública por não atenderem as exigências realizaram uma nova manifestação na manhã desta sexta-feira (3), que terminou em frente à Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), na Zona Centro-Sul de Manaus. O presidente da categoria afirma que eles exigem uma nova licitação da Prefeitura para se regularizarem. A SMTU informou que ainda não tem um posicionamento sobre as questões levantadas.

Apesar de fazer parte do grupo, o presidente da União Estadual de Mototaxistas, Orlando Bindá, criticou o ato promovido por, segundo ele, cerca de 60 motoqueiros. “É impossível estender esse prazo. A SMTU já deu o prazo de seis meses para fazer o cadastro pessoal, porém muitos ainda não buscaram a habilitação ou resolver as pendências. A Prefeitura não vem realizando apreensão de motos e documentação justamente para não criar confusão”, explicou.

Segundo Bindá, 1.679 trabalhadores foram selecionados a partir da convocação, ocorrida em maio deste ano. A licitação prevê que 3.303 mototaxistas circulem nas ruas. O prazo para adequação termina no final de outubro, segundo a SMTU.

Por meio de nota, a SMTU informou que ficou as reivindicações desta sexta foram as mesmas feitas no dia 24 de setembro, quando cerca de 300 mototaxistas fizeram um protesto em frente à Prefeitura de Manaus. Na ocasião, a Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) disse que os trabalhadores exigiam um novo processo de licitação.

Sobre a primeira manifestação, o órgão completou informando que recebeu um documento contendo as reivindicações. “Ele deve ser analisado e, por isso, ainda não temos um posicionamento sobre as questões levantadas”.

Regras

A Lei Federal nº 12.009, de 29 de julho de 2009, define que para o exercício das atividades é necessário ter completado 21 anos; possuir habilitação por pelo menos 2 anos; ser aprovado em curso especializado nos termos de regulamentação do Contran; certidões negativas das varas criminais, além de outras atribuições, que incluem identificação dos acessórios e equipamentos de segurança. 

Publicidade
Publicidade