Publicidade
Manaus
Manaus

Movimento estudantil deve organizar novos protestos

Estudantes dizem que meia passagem, que a partir de 1 de julho será de R$ 1,40, foi majorada para cima e pedem redução 28/06/2013 às 08:24
Show 1
Na última quarta-feira (26), o governador Omar Aziz e o prefeito Artur Neto anunciaram a redução da tarifa de ônibus
Bruno Strahm ---

Passada a conquista na redução do valor da tarifa de ônibus em Manaus, o movimento estudantil decidiu, agora, cobrar a diminuição do preço da meia passagem, que, para a classe, foi acrescida para cima pela Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU). Nesta quinta-feira (27), em reunião no final da tarde, no Centro de Manaus, os estudantes realizaram uma discussão em torno do assunto e decidiriam que vão cobrar do governador Omar Aziz (PSD) e do prefeito de Manaus Artur Neto (PSDB) um valor menor da meia passagem estudantil, fixada na última quarta-feira (26), segundo eles, em cinco centavos a mais.

“Metade da tarifa de R$ 2,75 é R$ 1,37. Existe uma lei do ano 2000 que declara que o valor da meia passagem será metade da tarifa comum, arredondando para menos, no valor múltiplo de 5 ou 10. A Prefeitura de Manaus anunciou a meia passagem no valor de R$ 1,40, ou seja, 5 centavos a mais do bolso da população. Queremos sentar e conversar com o governador e o prefeito sobre isso. O governador porque foi fiador desta revogação de aumento, e com o prefeito porque é quem autoriza o valor da tarifa”, afirmou Yan Evanovick, ligado à União da Juventude Socialista (UJS).

“Se na segunda-feira (1º) for cobrado do estudante na catraca de ônibus o valor de R$ 1,40, não tenha dúvida que sabemos bem o endereço onde iremos chamar toda a população da cidade para protestar: a sede do Governo do Estado, no bairro da Compensa, e o gabinete do prefeito Artur Neto (no mesmo bairro). Defendemos manifestações pacíficas. Queremos sentar na mesa com os dois para negociar”, continuou Evanovick.

Participaram da plenária na Praça do Congresso as entidades estudantis UNE, UMES, UBES, UEE e UESAM. De maneira pacífica eles desceram a avenida Eduardo Ribeiro até a sua rotatória onde explicaram aos estudantes secundaristas que participaram do evento e àpopulação sobre seu ponto de vista. 

PASSE LIVRE

Pouco tempo depois, no Largo São Sebastião, integrantes do Movimento Passe Livre (MPL-Manaus) se reuniam para uma assembleia aberta com a população para deliberar quais seriam os próximos passos do movimento.

Planilhas avaliadas por técnicos

O MPL-Manaus entregou ao prefeito de Manaus cinco reivindicações, durante reunião, na terça-feira (25) à noite. Nesta quinta-feira à tarde, os representantes do movimento discutiram as contrapropostas apresentadas por Artur Neto. “Ele nos deu acesso às planilhas dos últimos dez anos e o contrato de licitações do transporte público em Manaus”, afirmou Francisco da Costa Lima, membro da MPL, durante a assembleia. “Iremos nos debruçar sobre esta planilha juntamente com contadores, economistas, matemáticos e advogados para estudar se os reajustes dados até então foram corretos e se há indício de sobretaxação nos preços das passagens”, acrescentou.

Ele informou que o Movimento Passe Livre pretende informar, em assembleias abertas, em praças públicas, os resultados da análise técnica que será feita sobre os números repassados pelo Poder Executivo Municipal. “Iremos dizer à população o resultado deste estudo durante nossa próxima manifestação, no próximo dia 11 de julho”, completou Sandro Marandueira, membro do MPL.

Para reduzir a tarifa do transporte coletivo, a Prefeitura de Manaus e o governo do Estado vão desonerar as empresas de ônibus na cobrança de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), o que possibilitará a redução da passagem em R$ 0,05. Omar Aziz e Artur Neto também decidiram que o Estado poderia bancar parte da tarifa em R$ 1 milhão por mês, das próprias contas, e a Prefeitura em R$ 700 mil/mês, do próprio orçamento, o que garantiu a diminuição em mais R$ 0,10.

“Qualquer gestor tem que dar prioridade a algumas coisas. Nesse momento, a prioridade é atender essa população que mais precisa”, afirmou Omar Aziz, durante entrevista coletiva concedida na tarde de quarta-feira. “Governar é optar. Escolhemos investir em um transporte mais barato”, completou o prefeito Artur Neto.  “Quem sabe saiu de creches, de escola, da saúde. Saiu de algum lugar porque dinheiro não cai do céu”, disse Artur Neto. “Não é a fórmula ideal. Mas foi a fórmula honesta e possível para oferecer uma resposta muito clara a quem está de boa-fé nas ruas”.

Subsídio de R$ 46,4 milhões

Na tarde da última quarta-feira (26), Omar Aziz e Artur Neto estiveram reunidos com representantes do Movimento Passe Livre (MPL Manaus) estudando formas de reduzir a tarifa do transporte coletivo de Manaus. Às 17h, governador e prefeito anunciaram, em entrevista coletiva, que a passagem de ônibus vai baixar para R$ 2,75 a partir do dia 1 de julho. A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) informou que a meia passagem vai custar R$ 1,40. A informação está no site da Prefeitura de Manaus.

O Município vai subsidiar anualmente os custos do transporte coletivo em R$ 8,4 milhões. O subsídio do Estado será de R$ 12 milhões/ano. Ao todo, a ajuda do poder público para manter a passagem de ônibus em R$ 2,75 chegará a R$ 46,4 milhões por ano. O governo do Estado já subsidiava o valor da tarifa em R$ 26 milhões por ano, ao renunciar a cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o diesel das empresas do setor.  Segundo Omar, a prioridade no momento é atender os usuários dos coletivos.

Publicidade
Publicidade