Publicidade
Manaus
INJUSTIÇA

MPF-AM pede arquivamento de processo da morte de onça em evento olímpico

A decisão foi motivada após o inquérito aberto pela Polícia Federal não apontar provas capazes de sustentar a denúncia criminal 10/06/2017 às 15:51 - Atualizado em 10/06/2017 às 15:51
Show juma
Juma durante o evento de passagem da tocha olímpica por Manaus. Foto: Ivo Lima/ME
acritica.com Manaus (AM)

Após um ano da morte da onça-pintada Juma, ocorrida em Manaus durante solenidade de passagem da tocha olímpica pela cidade, o Ministério Público Federal no Amazonas decidiu pedir o arquivamento da ação criminal que responsabilizava o Exército. A informação foi publicada pelo jornal Folha de São Paulo neste sábado (10).

De acordo com o MPF-AM, a decisão foi motivada após o inquérito aberto pela Polícia Federal não apontar provas capazes de sustentar a denúncia criminal.

O pedido está em análise pela Câmara de Coordenação e Revisão do MPF em Brasília. Além da ação criminal que tramita na 7ª Vara da Justiça Federal no Amazonas, ação civil pública também foi aberta em agosto de 2016.

Ainda de acordo com a reportagem, em dezembro, após assinatura de acordo entre MPF e Exército para que militares adotassem "medidas corretivas" no trato de animais silvestres, a medida foi extinta.

Em 20 de junho de 2016, apesar do uso de tranquilizantes no resgate da onça-pintada Juma, que fugiu da jaula após a cerimônia da Tocha Olímpica no Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), o alto grau de estresse provocado pelo evento pode ter blindado ou diminuído o efeito do medicamento.

Quem garantiu isso foram  pesquisadores do Instituto Mamirauá, em matéria publicada no dia 20 de junho pelo Portal A Crítica. A onça morreu baleada após ter tentado atacar um militar durante o resgate dela.

Publicidade
Publicidade