Publicidade
Manaus
CUSTO POLÍTICO

MPF denuncia ex-secretário da Sefaz Afonso Lobo por corrupção passiva

De acordo com a denúncia, o ex-secretário recebeu mais de R$ 1 milhão em propina, paga com dinheiro público, para favorecer o esquema de desvio de recursos públicos da Saúde 05/07/2018 às 10:27
Show img0017468374
(Foto: Winnetou Almeida)
acritica.com Manaus

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o ex-secretário de Estado da Fazenda do Amazonas (Sefaz) Afonso Lobo Moraes e os empresários Mouhamad Moustafa e Priscila Coutinho por corrupção. De acordo com a denúncia, o ex-secretário recebeu de Mouhamad, com a participação de Priscila, mais de R$ 1 milhão em propina, paga com dinheiro público, para favorecer o esquema de desvio de recursos públicos da saúde revelado a partir da operação Maus Caminhos.

Mouhamad Moustafa e Priscila Coutinho já foram condenados por conta do envolvimento neste esquema de corrupção. Ele recebeu pena de 15 anos e quatro meses em regime fechado, enquanto ela  foi condenada a 12 anos e oito meses em regime fechado. 

Segundo o MPF, a participação de Afonso Lobo no esquema de corrupção veio à tona com a deflagração da Operação Custo Político, em dezembro de 2017, desdobramento da Operação Maus Caminhos. Entre maio de 2014 a agosto de 2016, ele recebeu de Mouhamad ingressos para a final da Copa do Mundo de Futebol, ingressos para o show de Roberto Carlos, ingressos para o evento Villa Mix e para o show de Wesley Safadão, além de vinhos raros, pagamento de diárias em hotel em Brasília, cessão de carro e motorista em Brasília/São Paulo e transferências para a empresa Lorcam Consultoria Financeira Ltda-ME.

Por conta da acusação de envolvimento no esquema criminoso, Afonso Lobo chegou a ser preso, mas teve habeas corpus concedido em abril, após pagar fiança de 100 salários mínimos, e aguarda julgamento em liberdade. 

Afonso Lobo é servidor público estadual, auditor-fiscal da Fazenda do Estado do Amazonas e foi secretário da Sefaz por mais de quatro anos, de dezembro de 2012 a janeiro de 2017, durante as gestões dos ex-governadores Omar Aziz (PSD) e José Melo (PROS). As investigações mostraram que, por ocupar tal posição, era peça estratégica para a organização criminosa liderada por Mouhamad, ao garantir tratamento privilegiado em comparação com os demais credores do Estado do Amazonas.

Na ação penal, o MPF pede a condenação de Lobo por corrupção passiva, crime previsto no artigo 317 do Código Penal, e de Mouhamad e Priscila por corrupção ativa, conforme disposto no artigo 333 do Código Penal. As penas para os dois crimes podem ultrapassar 20 anos de prisão.

A ação penal tramita na 4ª Vara Federal e aguarda recebimento da Justiça.

Publicidade
Publicidade