Publicidade
Manaus
Manaus

Mulher atingida por bomba de gás disparada pela PM no 'Galo' perde parte da visão

De acordo com os familiares, o médico explicou que a intenção era recuperar a visão esquerda da vítima, porém isto não foi possível devido aos danos causados pelo explosivo. Não foi necessário, no entanto, retirar o seu globo ocular 13/02/2016 às 15:12
Show 1
Mulher pode ficar cega após ter sido atingida por bomba de gás na Banda do Galo de Manaus
Joana Queiroz Manaus (AM)

Após passar por procedimento cirúrgico no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, localizado na Zona Centro-Oeste de Manaus, a empregada doméstica Ivaneide Pereira Fonseca, de 46 anos, atingida no olho esquerdo por uma bomba de gás lacrimogêneo durante a Banda do Galo, na última terça-feira (9) perdeu a visão do olho esquerdo, mas não precisou retirar o globo ocular.

A cirurgia aconteceu ao longo da tarde desta quinta-feira (11). A vítima iniciou o procedimento por volta de 14h20 e saiu do centro cirúrgico cerca de 3 horas depois. A cirurgia foi realizada pelo oftalmologista Marcos Cohen e sua equipe.

De acordo com os familiares, o médico explicou que inicialmente a intenção era recuperar a visão da vítima, porém isto não foi possível devido aos danos que o explosivo causou.

Entenda o caso

A empregada teve o rosto atingido na região da têmpora esquerda durante uma ação feita por policiais militares durante a tradicional Banda do Galo de Manaus 2016, ocorrida na última terça-feira (9).

De acordo com o marido de Ivaneide, o vigilante Narciso Luciano Bahia de Souza, 37, o rojão explodiu no rosto da vítima. “O rojão foi no olho esquerdo, explodiu no rosto dela. Os estilhaços também pegaram na minha perna e no meu braço”, afirmou.

Após uma peregrinação para encontrar ajuda, o casal conseguiu chegar ao Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto a partir da ajuda de um motorista que passava no local.

“Fomos subindo a rua (avenida das Torres) e ninguém ajudada. Foi na hora que fomos a um carro da polícia estacionado. Pedi ajuda e eles não quiseram ajudar. Depois fui a um agente do Manaustrans e ele disse que não tinha ambulância. Ficamos atrás de um táxi, e não tinha. Aí imploramos para um motorista nos levar. Ele disse que estava indo ao encontro de uma pessoa, mas que podia nos levar ao 28 de Agosto”, relatou o marido de Ivaneide.

Ainda abalado emocionalmente o vigilante disse que não costuma sair de casa, principalmente à noite, mas como o evento estava acontecendo perto da casa onde mora,  os vizinhos o convidaram. Então ele e a mulher decidiram ir brincar Carnaval.

Procedimentos

Comandante-geral da Polícia Militar, James Frota disse que assim que foi informado do ocorrido mandou verificar todas as guarnições que estavam trabalhando na segurança do Bloco Galo de Manaus.

O vigilante foi ouvido por oficiais da Polícia Militar, membros da corregedoria, que o informaram que vão instaurar um procedimento administrativo para avaliar a conduta dos militares e ainda vão encaminhar o depoimento dele para a Divisão de Justiça e Disciplina (DJD). Frota disse que já determinou que fosse instaurada uma sindicância para apurar os fatos e dependendo do resultado será ou não instaurado um Inquérito Policial Militar (IPM) para investigar o caso criminalmente.

A Corregedoria-Geral do Sistema de Segurança Pública do Amazonas informou, por meio de nota enviada à imprensa, que "será feita instauração de inquérito administrativo e que o caso também será encaminhado à Polícia Militar do Amazonas (PMAM) para instauração de inquérito policial militar".



Publicidade
Publicidade