Publicidade
Manaus
VIOLÊNCIA

No Dia da Mulher, jovem afirma ter sofrido agressão por funcionárias de ônibus

Estudante relata agressão cometida por cobradora e motorista da linha 640 após terem sofrido um assalto. SMTU disse que denúncia vai ser apurada 08/03/2017 às 15:50 - Atualizado em 08/03/2017 às 17:08
Show 17097508 1840109012872911 7071610823616796182 o
Caso ocorreu na noite de ontem na avenida Getúlio Vargas (Foto: Divulgação)
Oswaldo Neto Manaus (AM)

O que deveria ser um dia de comemoração pelo empoderamento e força feminina foi um acontecimento negativo para a estudante Soraya Nurieh, 27. Segundo a jovem, duas funcionárias da empresa de ônibus Eucatur teriam a agredido após sofrerem um assalto na avenida Getúlio Vargas, Centro de Manaus. A jovem realizou exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e o laudo deve sair em duas semanas. 

Segundo ela, o caso ocorreu por volta das 23h30 de terça-feira (7). Soraya conta que estava na linha 640 quando dois homens roubaram todo o dinheiro da cobradora. “Eles estavam armados e eu levantei e sentei mais na frente. Quando virei, eles pegaram o dinheiro e pediram pra abrir a porta e fugiram”.

Policiais da 24ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) detiveram os infratores Mauro Lima Dias e Anderson Alves Moraes, no entanto, Soraya conta que uma discussão começou no local.

“Algumas pessoas estavam se juntando e entraram em outro ônibus. Eu pensei que ia continuar. O ônibus ia pra Cidade Nova e a minha passagem já estava paga. Só queria ir pra casa. Nisso uma discussão se iniciou e elas disseram várias coisas horríveis pra eu sair do ônibus”, contou.

Em seguida, Soraya afirma que foi tirada do ônibus a força. “Fiquei sentada na cadeira. Depois disso, a cobradora e disse que estava vindo ônibus. Quando cheguei perto da escada, elas me pegaram por trás e me chutaram. Foi a maneira que encontraram de me tirar do ônibus. Quando saí, a motorista começou a bater na minha cara me chamando de um monte de coisa”, disse ela, que saiu do ônibus e entrou no outro coletivo. 

As funcionárias foram identificadas como Silvia Maria da Silva Mendonça e Valdirene Maria Ribeiro Oliveira. O resultado do laudo do IML deve sair em duas semanas e encaminhado ao 24º Distrito Integrado de Polícia (DIP). 

Soraya contou que tentou registrar Boletim de Ocorrência no 24º DIP na noite de ontem, mas a delegacia estava sem sistema. Ela obteve uma requisição para realizar exame de corpo de delito no IML. “Vou procurar a SMTU e voltar à delegacia amanhã (9) para registrar BO. O transporte é público e temos que passar por uma humilhação dessas?”, questionou.

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos informou que a usuária deve protocolar a denúncia na SMTU por meio do Serviço de Atendimento Comunitário (SAC). “Precisamos que esse registro seja feito diretamente a SMTU para que possamos adotar providências e apurar os fatos ocorridos”, disse por meio de nota.

Publicidade
Publicidade