Publicidade
Manaus
TRANSIÇÃO

Nova concessionária de água deve investir R$ 170 milhões no abastecimento em Manaus

Segundo o prefeito, a permissão para a compra foi dada com a garantia de que a tarifa social e a meta de esgotamento sanitário de 80% até 2030 fosse mantida pela Aegea.  02/03/2018 às 18:22 - Atualizado em 02/03/2018 às 18:44
Show whatsapp image 2018 03 02 at 17.43.02
(Foto: Márcio Silva)
Oswaldo Neto Manaus

Mais de R$ 170 milhões deve ser o investimento na rede de abastecimento de água e esgotamento sanitário em 2018 pela Aegea, empresa que deve cuidar do serviço em Manaus ainda este ano no lugar da Manaus Ambiental, que está sendo vendida. Nesta sexta-feira (2), dirigentes das empresas, vereadores e o prefeito Artur Neto (PSDB) oficializaram a anuência da transação. O objetivo é firmar o contrato em até dois meses. 

Segundo o prefeito, a permissão para a compra foi dada com a garantia de que a tarifa social e a meta de esgotamento sanitário de 80% até 2030 fosse mantida pela Aegea. "Será uma revolução isso porque são números que ainda não são convincentes embora o da água seja muito convincente", esclareceu o prefeito. Na capital amazonense, a cobertura de água corresponde a 98%. Quanto à rede de esgoto, é de 19,2%

De acordo com o diretor-presidente da Agência Reguladora do Município (Ageman), Fábio Alho, o investimento de R$ 170 milhões já estava programado pela Manaus Ambiental. Com a mudança, a Aegea passa a assumir o montante com a condição de acrescentar um novo valor que deve ser analisado. 

"Pode-se pela capacidade acionária da Aegea praticar novos investimentos. O empresa deve consolidar todos os planos e investimentos que a Manaus Ambiental vinha fazendo na cidade", disse. 

Ainda segundo Alho, a meta contratual estabelecida pela prefeitura é da Aegea cobrir 80% da capital com esgotamento sanitário até 2030. Anteriormente a meta era até 2045, mas que foi reduzida. Alho não descarta que o contrato seja revisado.

"Nada impede que a prefeitura revise o contrato novamente para que o esgotamento e destinação de resíduos seja tratada de forma mais eficiente", explicou.

Publicidade
Publicidade