Publicidade
Manaus
Manaus

Nove escolas municipais que funcionam em prédios alugados serão fechadas em 2016

Com essa medida, o município quer economizar até R$ 7 milhões, referentes aos contratos de alugueis e despesas com mão de obra e serviços  04/12/2015 às 17:00
Show 1
O Cmeil Suely Pompeu, que funciona em um prédio alugado no Petrópolis, é uma das escolas que será desativada. Pais de alunos estão preocupados com o futuro dos filhos e a distância das novas escolas
Kelly Melo Manaus (AM)

O Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) Suely Pompeu, em Petrópolis, na Zona Sul, é uma das nove escolas da rede pública municipal que será desativada a partir do ano que vem. Para os pais dos alunos, o fechamento da escola é uma preocupação a mais pois, além de haver poucas opções perto de casa, eles ainda vão ter que levar as crianças para unidades mais distantes.

Esse é o drama da dona de casa Aliana Menezes, 38, que matriculou o filho mais novo, de apenas 5 anos, no Cmei que fica há cinco minutos de onde eles moram. De acordo com ela, a confirmação do fechamento da unidade veio na semana passada, quando representantes da Secretaria Municipal de Educação (Semed) estiveram escola e durante uma reunião, apresentaram um laudo apontado riscos na estrutura do prédio.

“Eu tomei um susto porque eles disseram que a escola ia fechar por conta da estrutura estava caindo e não tinha condições de permanecer funcionando desse jeito. Agora eu vou ter que começar do zero e conseguir outro local para meu filho continuar estudando no ano que vem”, lamentou a mãe.

Readequação

A Secretária Municipal de Educação, Kátia  Schweickardt, afirmou, na última quinta-feira (3), que todas as unidades desativadas,  a partir do ano que vem, funcionam em prédios alugados. E não foram apenas os fatores estruturais que contribuíram para o fechamento delas. A falta de documentos por parte dos donos dos prédios para a formatação de um novo contrato e o esvaziamento das salas de aula, também.

 Segundo ela, não houve quebra de contratos. “Nós realizamos um estudo criterioso e identificamos que essas escolas, além de tantos problemas, estavam funcionando com a capacidade abaixo do esperado. Não dá para manter uma escola com capacidade para 300 alunos, com apenas 100. Isso gera muitos custos e a despesa é alta. E isso aconteceu porque essas unidades estão localizadas em bairros que envelheceram, o que diminuiu a procura pela educação infantil e ensino fundamental. A readequação vai otimizar a nossa gestão e dar mais qualidade de ensino”, garantiu a secretária da Semed.

Atualmente, a pasta possui 501 escolas na zona urbana e rural, contemplando 228 mil alunos. Dessas, 173 unidades funcionavam em prédios alugados até este ano. Com a readequação, a Semed vai passar a ter 164 escolas em prédio alugados.

Em números

 Ao todo, 2.346 alunos serão transferidos para outras unidades escolares da rede municipal. Eles pertencem aos quadros das nove escolas que vão ser fechadas este ano.

Custos

Em 2015, a Semed pagou R$ 32 milhões em aluguéis de prédios onde funcionavam 173 escolas municipais. Com a desativação de nove unidades, a secretaria vai permanecer com os contratos de 164 prédios alugados e não descarta a possibilidade de outras desativações.

Pode haver mais em 16

A Secretária Municipal de Educação, Kátia Schweickardt, não descartou a possibilidade de outras escolas serem desativadas em 2016. No entanto, de acordo com ela, primeiro será necessário observar a demanda das matrículas para o próximo ano letivo.

A secretária ressaltou ainda que todas as 2,3 mil crianças afetadas pelo fechamento das escolas serão transferidas automaticamente, sem causar “dor de cabeça” aos pais. “Elas vão continuar estudando perto de suas casas, em escolas num raio de até 1 km. Mas se alguém ficar numa distância maior do que isso, nada nos impede de encontrar uma solução”, disse.

Com essa medida, o município quer economizar até R$ 7 milhões, referentes aos contratos de alugueis e despesas com mão de obra e serviços.

Escolas fechadas

Cmei Profª Sofia Soeiro do Nascimento na Raiz, na Zona Sul

Cmei Profª Suely Cruz de Pinho Pompeu em Petrópolis, na Zona Sul

Esc. Mul. Francisco Pinheiro de Lima no Monte do Sinai, na Zona Norte

Cmei Profª Dalvina do Nascimento no Colônia Santo Antônio, na Zona Norte

Emef  Profª Silvia Helena Costa de Oliveira Bonetti no Monte das Oliveiras, na Zona Norte

Cmei Escritor José Bento Monteiro Lobato no Novo Israel, na Zona Norte

Emef Profª Maria das Graças Andrade Vasconcelos na Cidade Nova, na Zona Norte

Emef Catarina Paz da Costa no Coroado, na Zona Leste

Emef  Aurenizia Costa de Jesus no  Gilberto Mestrinho, na Zona Leste

Publicidade
Publicidade