Domingo, 08 de Dezembro de 2019
fé e devoção

Novena de São José completa 20 anos na próxima quinta-feira (19)

Para receber o numeroso público de fiéis esperado, a congregação programou cinco horários de novenas para o dia da comemoração



novena_123_4CBCB776-A08C-418A-901F-7CB4CF478C36.JPG A expectativa é pela presença de um público de até 45 mil fiéis. Foto: Márcio Silva
16/09/2019 às 08:42

O Santuário de São José Operário, na rua Visconde de Porto Alegre, na Praça 14 de Janeiro, Zona Sul, comemora na próxima quinta-feira os 20 anos de sua tradicional novena que acontece todo dia 19 de cada mês. A expectativa é pela presença de um público de até 45 mil fiéis que terão como convidado especial o conhecido padre Sérgio Lúcio Alho da Costa, um dos fundadores do evento religioso junto com a paróquia de São José.

Para receber o numeroso público de fiéis esperado, a congregação programou cinco horários de novenas para a quinta-feira, iniciando às 6h e seguindo-se às 9h, 12h, 16h e 19h. As missas de 6h e de 19h serão ministradas pelo padre Sérgio Lúcio; a de 9h pelo vigário paroquial padre Gilberto Lucas; a das 12h terá a presença do bispo auxiliar de Manaus dom José Albuquerque e a das 16h terá o inspetor salesiano padre Jefferson Luís.



Paralelo às comemorações a paróquia fará a inauguração de importantes obras do santuário como o Velário Padre José Dalla Valle (após a benção final das 6h), símbolos como a Cruz das Santas Missões e um local chamado “Casa do Devoto”, na qual os fiéis podem deixar objetos e pertences de graças alcançadas por intermédio de São José Operário. Às 16h haverá o lançamento do CD oficial de 20 anos de bênçãos da novena.

Significado

A Novena da Benção de São José, como é oficialmente chamada, é uma celebração da Palavra de Deus com adoração ao Santíssimo Sacramento, com louvor e veneração da figura do padroeiro da paróquia e de toda a Igreja Católica - São José -, tendo sido criada para ser querigmática, ou seja, para que proclamasse e ajudasse a reavivar a fé batismal de todos os fiéis, numa realidade urbana, onde muitas vezes o tempo era exíguo. Quando a criou, em 2000, um ano após substituir o então pároco padre José Dalla Valle, o padre Sérgio Lúcio montou a celebração inserindo quatro orações de intercessão, invocando São José, com a iluminação da Palavra de Deus. Adoração Eucarística, louvor e Comunhão. Ao final acontece um momento de testemunhos e agradecimentos às bênçãos alcançadas pelos fiéis sob a intercessão de São José Operário.

Começo ao meio-dia

A celebração foi proposta à comunidade paroquial para ser feita todo dia 19 de cada mês, às 12h – a data foi escolhida porque se faria a memória litúrgica mensal de São José (19 de março) e ao meio-dia porque era o horário do intervalo do almoço de muitos trabalhadores, e haveria um espaço para “dar um pulo” na Igreja e rezar.

Continuidade

O trabalho de Sérgio Lúcio à frente da paróquia foi continuado por diversos salesianos que prestaram serviços de animação na Igreja, caso dos párocos padres João Sucarrats Font (2006-2007) e João Benedito da Cunha Alves (2008-2018).

O atual pároco-reitor do Santuário, o salesiano padre José Ivanildo de Oliveira Melo, natural de Irituia (PA), comentou que a celebração de 20 anos da novena “é um momento especial que Deus nos concede para agradecer o dom que é a novena na Igreja de Manaus; as graças e bênçãos recebidas, por intercessão de São José, atestam o quanto Deus nos ama, como deseja fazer de cada um de seus filhos e filhas, um santuário do Espírito Santo”.

Paróquia foi criada no ano de1948

Em 5 de fevereiro de 1948, dom João da Mata Andrade e Amaral, então bispo diocesano de Manaus, assinou o decreto de criação  da Paróquia de São José Operário, desmembrando-a da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios. A nova paróquia atenderia a comunidade do território da Praça 14 de Janeiro e adjacências e ficaria sob os cuidados dos Salesianos de Dom Bosco.

No dia 6 de junho daquele ano celebrou-se a Eucaristia e deu-se formalmente a instalação da nova paróquia, tendo como seu primeiro pároco o padre Estevão Domitrovitsch. A construção da sede paroquial, iniciada em 4 de junho de 1949, com a benção da pedra fundamental por dom Alberto Gaudêncio Ramos, que sucedeu dom João, foi seguida por anos de trabalho que envolveu pessoas da comunidade e autoridades públicas.

A Paróquia de São José Operário, desde a sua origem, esteve atrelada fortemente à missão salesiana na Amazônia, colaborando ostensivamente com as atividades sociais por meio da Escola Industrial Salesiana e o Oratório São Domingos Sávio.

No espaço paroquial desenvolveram-se multidões de lideranças pastorais, civis e eclesiásticas.

Blog: Marcelo Rubim, empresário e devoto

“Minha mãe, Gecy Rubim, hoje com 78 anos de idade, começou a novena em 2000. Eu não era frequentador assíduo, e só vinha para a novena uma vez ou outra, mas pela insistência da esposa minha comecei a participar mais. Lembro que certa vez a Igreja estava superlotada e eu fiquei na porta. E na hora da homilia com o padre Sérgio Lúcio foi a única vez que eu chorei na igreja. Estava passando uma dificuldade muito grande, como a maioria das pessoas que vêm à igreja. Eu pedi que José e Nossa Senhora intercedessem por mim pois eu estava em uma situação muito difícil. E comecei a vir para a novena, ouvindo as palavras muito tocantes do padre Sérgio Lúcio, como várias outras pessoas. E graças a Deus, São José e Nossa Senhora alcancei a graça. Assumi como vereador suplente em 2003 e uma das primeiras coisas que eu fiz foi vir falar com o padre Sérgio Lúcio, que nem me conhecia, e colocar meu gabinete aberto à sua disposição. E graças a Deus eu pude interceder por muitas melhorias para a igreja. Minha esposa lembra que eu pedi para Nossa Senhora e São José chorando e eles intercederam por mim e eu pude ajudar a igreja três anos depois a casa que Jesus deu. E até hoje, todas as vezes que eu posso ajudar, fico muito alegre porque acredito na intercessão de Nossa Senhora e São José com o Menino Jesus e Deus. Na quinta-feira estaremos aqui para celebrar esse momento de 20 anos”.

Juntos na religião e na vida de casados

Falar dos 20 anos da novena é motivo de muita emoção para fiéis como os casais de devotos de São José, Antônia Rocha, 73, e Josué Mendes, 69, e Vânia Auxiliadora Macena, 64, e Raimundo Eduardo Macena, 65.

A dona de casa Antônia e o aposentado Josué vão à maioria das novenas juntos, mas é ela quem vai religiosamente desde a primeira celebração, há 20 anos. “Venho desde que começou. Todo dia 19 eu estou na Igreja rente que nem um pão quente. O que me traz aqui à novena é meu sentimento de louvar a Deus, agradecer a Ele e a São José pela intercessão junto a Jesus para conosco. Para mim a novena é tudo de bom, sinônimo de muitas graças e bênçãos, é muito bonita. Só quem participa, sabe”, comentou ela.

Uma graça sua alcançada foi a cura do marido, que teve a saúde abalada após uma parada cardíaca e problemas ocasionadas por asma. Ele fala com emoção e lágrimas nos olhos: “A novena representa fé e muitas graças alcançadas. É muita emoção. Jesus me curou e me ressuscitou por meio de São José. Hoje estou aqui, Deus me colocou de pé, graças a Ele”, conta seu Josué Mendes.

Já com o casal Vânia Auxiliadora Macena, que é professora, e Raimundo Eduardo Macena, 65, eletricista, estar na Igreja de São José é um hábito que vem desde a infância, e que só não é mais frequente atualmente na novena.

“Estudei no colégio Santa Teresinha, que é salesiano, e minha família é católica, e desde criança frequento a Igreja de São José Operário. Como eu morava no Centro vinha todo dia às novenas, mas mudamos para o bairro do Puraquequara e já venho para as celebrações de forma ‘salteada’. Mas não deixo de frequentar e todo domingo venho”, disse ela.

O casal diz ter uma curiosa graça alcançada: seu filho, Washington Luiz Macena, 32, já foi padre da paróquia e hoje exerce o sacerdócio no interior.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.