Publicidade
Manaus
Manaus

Novos números mostram que redução de acidentes perto dos antigos radares é considerável

Depois que os radares foram desativados, houve uma redução no número de acidentes de trânsito nos locais e proximidades onde os equipamentos ficavam funcionando 31/07/2015 às 09:54
Show 1
De acordo com o Manaustrans, após o processo de licitação, os novos equipamentos serão instalados em 36 pontos da cidade, seis a mais que antes.
Nelson Brilhante Manaus (AM)

Acredite se quiser! Há mais de quatro meses - desde 8 de março de 2015 -, Manaus, que tem 678.899 veículos nas ruas, está sem o sistema de radares que controla o trânsito, não alterou e até reduziu o número de acidentes. Sem falar nos mais de quatro mil táxis licenciados que rodam na cidade.

Curioso, mas, depois que os radares foram desativados, houve uma redução no número de acidentes de trânsito nos locais e proximidades onde os equipamentos ficavam funcionando. Embora os números sejam positivos, não dá para comemorar. Tem muito condutor que se aproveita da situação e acaba complicando situação.

O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) informou que está encerrando o processo de licitação dos radares na próxima semana. A previsão é que os primeiros equipamentos sejam instalados a partir da primeira semana de setembro.

Os agentes de trânsito continuam fazendo a fiscalização com equipamento portáteis, nas vias onde estavam instalados os radares fixos. Comprovadamente, o sistema é insuficiente para monitorar o volume de veículos que circulanas principais vias de Manaus. De acordo com o Manaustrans, após o processo de licitação, os novos equipamentos serão instalados em 36 pontos da cidade, seis a mais que antes.

De 1º de janeiro a 22 de julho de 2014 foram registradas 147 vítimas fatais em acidentes de trânsito. No mesmo período de 2015, morreram 126 pessoas, o que indica uma redução de 14%. Nesse mesmo período, em 2014, foram registrados 127 acidentes com registro de vítimas fatais. Em 2015, foram registrados 119 acidentes com vítimas fatais, resultando numa redução de 6,30%.

FISCALIZAÇÃO

O Manaustrans atribui essas reduções aos seguintes fatores: trabalho intenso de revitalização de sinalização; às  rotineiras campanhas de educação para o trânsito que tem resultado em um crescente respeito à faixa de pedestres e às leis de trânsito; à instalação de novos semáforos e à fiscalização diária com o uso do radar portátil nos locais onde estavam instalados os radares fixos.

“Muitos condutores têm a consciência de que não devem ultrapassar a velocidade máxima permitida, de acordo com a sinalização instalada nas vias, pois todas são sinalizadas com placas que indicam a velocidade. Além disso, eles sabem que, mesmo sem os radares fixos, os agentes de trânsito podem estar em qualquer ponto fiscalizando com o uso do radar portátil”, alerta o diretor.

Embora o órgão repasse números otimistas, não há como não reconhecer a falta de controle diante de condutores intransigentes. “Mesmo havendo redução no número de acidentes nestes meses, a Prefeitura de Manaus trabalha para reduzir cada vez essa estatística de acidente. Acreditamos que essa é a tendência, a partir da instalação dos novos equipamentos de fiscalização eletrônica; da revitalização da sinalização nas vias; das constantes campanhas de educação e da presença ostensiva dos nossos agentes de trânsito para dar segurança e fluidez ao tráfego nas ruas de Manaus”, afirma Paulo Henrique Martins.

Licitação

O Manaustrans não informou detalhes sobre sobre o processo licitatório para contratação de empresa que deverá prestar serviço de monitoramento e fiscalização do trânsito em Manaus. Em junho, o órgão teve o processo interrompido pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) por “excluir muitos candidatos”.

 Em andamento

Uma medida cautelar, com pedido de caráter liminar, foi apresentada por uma das empresas concorrentes em abril, quando identificou possíveis ilegalidades e restrição ao caráter competitivo no Pregão Presencial  nº007/2015.

O documento prevê a “contratação de empresa ou consórcio de empresas especializadas para prestação de serviço de monitoramento e fiscalização do trânsito”. O impasse foi superado e a licitação liberada.

Publicidade
Publicidade