Sábado, 24 de Agosto de 2019
URGÊNCIA

OAB-AM ingressa com medida judicial contra greve dos vigilantes em Manaus

Até o momento, doze agências bancárias de Manaus foram fechadas. Greve iniciou na manhã desta quinta-feira (14)



d21fe225-7fbe-4856-8f7c-f42016d90eab_3B77031C-535D-4273-B435-2079AB0AA7C4.jpg Foto: Jander Robson/Freelancer
14/02/2019 às 14:34

A Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil no Amazonas (OAB-AM) vai ingressar com uma medida judicial por tutela de urgência perante a Justiça do Trabalho contra o Sindicato dos Vigilantes do Amazonas (Sindevan), em decorrência à greve da categoria que até o momento atinge doze agencias bancárias em Manaus.

De acordo com o presidente da Comissão, Nicolas Gomes, a medida também conta com o aval do Programa Estadual de Proteção e Orientação do Consumidor (Procon) da capital e do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM).

“É importante frisar que não somos contra a greve dos vigilantes e estamos apenas em busca de exercer a Lei. Até porque se estima que até o fim desta tarde todas as agencias bancárias da cidade parem por conta da ausência de vigilantes”, destacou o presidente da comissão.

Febraban

Ao ter ciência da greve dos vigilantes em Manaus, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) esclarece que o quadro de vigilantes que integram o plano de segurança bancária é regulado pela Lei Federal nº 7.102/83, do qual também fazem parte o sistema de alarme e outros dispositivos mecânicos ou eletrônicos de segurança.

Em caso de paralisações desses profissionais, a Polícia Federal autoriza as agências bancárias a operarem sem dinheiro em espécie. No entanto, a decisão de abrir ou não uma ou mais agências cabe a cada banco, que avalia qual é a escolha mais segura para clientes e funcionários.

Greve

O Sindicato dos Empregados em Empresas de Vigilância e Segurança de Manaus (Sindevam) deflagrou greve por tempo indeterminado na manhã desta quinta-feira (14) em Manaus.

A categoria se reuniu na manhã de hoje na Praça Heliodoro Balbi, a antiga Praça da Polícia, no Centro de Manaus. Ao menos 200 trabalhadores estiveram presentes. A entidade representativa dos vigilantes afirmou que 30% dos trabalhadores devem paralisar as atividades.

Entre as reivindicações, eles querem 6% de reajuste salarial, diminuição de desconto no vale-transporte, ticket-alimentação e que os vigilantes de bancos tenham aumento de 10% no salário.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.