Segunda-feira, 22 de Julho de 2019
Contrastes

Calçadas ocupadas por ambulantes dificultam trânsito de pedestres no Centro

Se a Matriz é quase um pandemônio, áreas do mesmo Centro, como o Largo São Sebastião e o canteiro central da avenida Getúlio Vargas são completamente diferentes, estando sempre sem qualquer vendedor “estacionado' ou impedindo a locomoção dos pedestres



cal_adasocupadas1.JPG No Terminal da Matriz, banca de frutas e lanche deixam um espaço pequeno ao pedestre / Fotos: Márcio Silva
14/12/2016 às 05:00

O Terminal da Matriz, no Centro de Manaus, que recebe milhares de pessoas todos os dias, concentra vários ambulantes nas áreas destinadas à passagem do pedestre. Alí se misturam dos carros de frutas às mesas de café regional com suas cadeiras de plástico dificultando o ir e vir das pessoas. Some-se a isso as barracas de verduras e legumes, formando um verdadeiro corredor nas calçadas do terminal. E há outras dessas barracas que ficam posicionadas quase no meio da rua, praticamente atrapalhando o trânsito dos ônibus coletivos.

A reportagem registrou a presença de muitas pessoas vendendo produtos nas calçadas da área central, o que acaba prejudicando a locomoção de pessoas em locais como, por exemplo, o terminal de ônibus da Matriz e outras localidades da cidade. E esse caos urbano deve aumentar com o passar dos dias em razão da chegada das festas de final de ano.

Andar por algumas das calçadas do Centro de Manaus é uma missão inglória para qualquer pedestre, quase um desafio sobre-humano, quando as mesmas são ocupadas por vendedores ambulantes e fixos.

Contraste
Se a Matriz é quase um pandemônio, áreas do mesmo Centro, como o Largo São Sebastião e o canteiro central da avenida Getúlio Vargas são completamente diferentes, estando sempre sem qualquer vendedor “estacionado” ou impedindo a locomoção dos pedestres.

“Aqui no Largo São Sebastião há uma organização já institucionalizada há algum tempo, e as pessoas têm um grande respeito. Já na Matriz é necessário todo um processo e isso vai custar muitas críticas à prefeitura”, disse o professor Paulo André Andrade.

Para Djeane de Lima, 30, a “prefeitura deveria organizar uma praça ou local específico para que esses vendedores possam trabalhar, mas organizados; e há também os problemas de assaltos na Matriz”.

"Sabemos que os vendedores estão trabalhando, mas também atrapalhando. E ficamos sem a sombra das calçadas", Larissa Marques, dona de casa.

Secretaria diz que população precisa colaborar para o fim desse comércio
A assessoria de comunicação da Subsecretaria Municipal de Abastecimento, Feiras e Mercados (Subsempab) informou que o órgão tem fiscalizado a venda ilegal com equipe de fiscalização, formada por 6 fiscais atuando na Praça da Matriz, informando aos vendedores ambulantes que eles não podem comercializar produtos na área central da cidade, bem como as demais ruas do Centro.

A Subsempab destaca que vem orientando a população para não comprar esses produtos, uma vez que os mesmo não tem garantia de fábrica.
Quanto a alimentos sem  conservação adequada e sem qualquer cuidado para o consumidor, a secretaria salienta que vários vendedores já foram notificados sobre essa ação ilegal, e também já tiveram as suas mercadorias  apreendidas, mas que eles voltam para as mesmas atividades devido os consumidores se alimentarem desses produtos de pratica ilegal.
Por meio da assessoria, a Subsempab faz um apelo à população manauense.

“Pedimos a população que não compre ou faça qualquer tipo de lanche ou café da manhã nestes locais. Os mesmo não estão adequados para o consumo de suas famílias. Se a população deixar de comprar, acaba com essas vendas ilegais”, ressalta a secretaria.

“Quantos aos quer atuam, eles não têm autorização da Sempab para atuarem em vendas na área central, assim também como em outras localidades da cidade de Manaus”, comentou o órgão municipal em nota enviada para a reportagem de A CRÍTICA.

A Secretaria Municipal de Abastecimento destaca que “estas vendas ilegais têm aumentado devido o índice de desemprego em Manaus, e o meio mais fácil que eles têm encontrado para ganhar o seu sustento é se encaminhando para a área Central (Matriz), assim como todo o Centro da Cidade”. Na nota enviada pelo órgão, a Subsempab  garante que tem feito seu trabalho através da equipe de fiscalização, sempre orientado e fazendo apreensões destas vendas ilegais”.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.