Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Manaus

Ondulações do peso dos ônibus no asfalto criam obstáculos a motoristas e pedestres

Na avenida Constantino Nery, a 'faixa azul' é a mais deteriorada. O problema, que se estende por quase toda a via, sugere que o peso dos veículos não está adequado ao material empregado no asfalto



1.jpg
Ondulações no asfalto criam obstáculos para condutores que circulam pela avenida Constantino Nery, principalmente aos motoristas dos ônibus do Bus Rapid System (BRS), que circulam pelo corredor exclusivo, a faixa mais deteriorada
13/07/2015 às 15:01

Um ano após a prefeitura concluir a aplicação da última camada de asfalto na avenida Constantino Nery, buracos e desnivelamentos já são notados por aqueles que passam pela via. Boa parte dos obstáculos está concentrada justamente na via que deveria ter o fluxo priorizado: o corredor exclusivo de ônibus que ficou popularmente conhecido como ‘faixa azul’.

O problema, que se estende por quase toda a via, sugere que o peso dos veículos não está adequado ao material empregado no asfalto.

Em toda a extensão da Constantino Nery, no corredor exclusivo, é notado boa parte do desnivelamento no asfalto que, todos os dias recebe boa parte dos ônibus que devem fazer parte do  Bus Rapid System (BRS). E os trechos mais danificados estão localizados justamente em frente às plataformas dos ônibus, área em que os veículos mais param, freiam e aceleram.

O desnivelamento fica mais visível nas proximidades do Parque dos Bilhares, no sentido bairro, e se estende até depois da Arena da Amazônia.

O pior trecho no sentido bairro está em frente à plataforma Pedro Teixeira, que fica localizada nas proximidades da Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (FHemoam). Nesse pedaço, o asfalto chegou a se romper, provocando buracos mais profundos, que crescem rapidamente com o pressão exercida pelas rodas dos ônibus.

Nos trechos em frente às plataformas do BRS as irregularidades já ‘abriram’ buracos (Foto: Antônio Lima)

Acidentes

O vendedor ambulante Jorge Nogueira, 27, relatou que o local tem ficado perigoso para quem passa ou trabalha no cruzamento entre a Pedro Teixeira e a Constantino Nery e até mesmo para quem tenta atravessar.

É que, segundo ele, as ondulações no asfalto são tão grandes que, além de quase provocarem acidentes entre veículos que tentam desviar delas, muito pedestre já tropeçou nas irregularidades “Tem gente que já tropeçou e quase caiu entre os carros. Esta situação pode acarretar a um acidente mais sério”, alertou.

'Qualidade inédita'

Segundo a prefeitura, o asfalto aplicado é de primeira qualidade. No período em que a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) realizava a aplicação da última camada de asfalto na avenida Constantino Nery, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB ), informou que, pela primeira vez no Estado, era aplicado o composto “binder” com o suplemento de polímero.

As substâncias dão maior resistência e elasticidade ao asfalto, principalmente nos locais destinados  para a passagem de ônibus, como na ‘faixa azul’.

Além das novas substâncias para o asfalto foram feitos a requalificação da pavimentação de sarjetas e calçadas, que deveriam ajudar a dar maior resistência às bordas.

Vistoria

A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que não recebeu nenhuma demanda sobre a área citada na matéria, mas que irá acionar o setor de engenharia de tráfego para verificar a situação  em que está o local.

Em números

R$ 150 milhões foram investidos nas obras de recapeamento das avenidas Djalma Batista, Constantino Nery, André Araújo, Torquato Tapajós e Cosme Ferreira. O valor também foi destinado para a inclusão dos calçamentos e meio-fio. Ao todo foram 55 quilômetros recuperados nas cinco vias.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.