Publicidade
Manaus
AVISO aos usuários

Ônibus da capital começam a ser sinalizados com novo valor da passagem, R$ 3,54

Sinetram defende que o reajuste, conquistado na via judicial, é justo por conta da defasagem inflacionária e dos efeitos da crise econômica nos custos de operação do transporte coletivo 30/06/2016 às 09:15 - Atualizado em 30/06/2016 às 13:29
Show fghjghjghjghjhjghj
Troco deve o primeiro problema a ser enfrentado se a tarifa, de fato, for reajustada. Foto: Clóvis Miranda
acrítica.com Manaus (AM)

Embora o prefeito Artur Neto (PSDB) afirme que não haverá aumento da tarifa do transporte coletivo, os ônibus da capital começaram a ser sinalizados na manhã desta quinta-feira (30). Nos veículos, o valor da nova tarifa, que deve ser cobrado a partir desta sexta-feira (1º), já é informado aos passageiros.

Nas placas, o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) informa o número do processo da determinação judicial e avisa que a cobrança do valor ocorrerá a partir de 0h do dia 1º de julho.

O Sinetram defende que o importante é que o reajuste traga um preço justo e que cubra os custos, coisa que atualmente não ocorre. “A nova tarifa vai trazer fôlego para as empresas poderem honrar seus compromissos com os colaboradores e fornecedores, pois as mesmas, também, estão passando por dificuldades”, disse o presidente da entidade, Carmine Furletti.

Prefeito é contra o reajuste

“Não vai ter reajuste na tarifa de ônibus. (...) Vou fazer um Decreto se for o caso e mostrar que a passagem é R$ 3. E ainda vou falar nos terminais de ônibus que o povo não pode pagar mais do que R$ 3. (...) A tarifa é R$ 3 e ponto! Nenhum centavo a mais”, afirmou nesta semana o prefeito Artur Neto, ao se referir ao reajuste anunciado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), que passa a vigorar sexta-feira.

“Eles sabem que não vai haver reajuste, que eu vou à posição mais extrema, mas não vou permitir que aconteça”, continuou o prefeito. Ele lembrou que discutiu com os empresários “coisas valiosas” para melhorar o sistema e diminuir os custos deles. Fez inclusive uma nova faixa azul do Terminal 4 à avenida Constantino Nery, que está em fase experimental, mas que a partir do próximo mês, quem trafegar por ela, se não for ônibus, será multado. “O que eles pediram nós fizemos. Agora eles têm que fazer a parte deles”.

De acordo com a Procuradoria Geral do Município (PGM), a prefeitura aguardava notificação oficial da Uustiça, o que ocorreu na última sexta-feira (24) para que pudesse protocolar, dentro do prazo cabível, recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), já em conclusão. Segundo a Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom), a previsão do julgamento do recurso é para esta quinta-feira.

Dissídio coletivo dos rodoviários em julgamento

Nesta sexta-feira (1), o Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT11) vai julgar o Dissídio Coletivo Econômico dos rodoviários. O processo está na pauta de julgamento da sessão extraordinária do Tribunal Pleno, que terá início às 9h.

O Dissídio Coletivo Econômico trata sobre condições de trabalho e reajuste salarial e foi ajuizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM) no dia 30 de abril. A ação foi a julgamento após terminar sem acordo a audiência de conciliação entre Rodoviários e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), realizada no dia 13 de maio, na sede do Tribunal.

Ao todo, os desembargadores do TRT11 vão julgar as 67 cláusulas do documento, que reivindica, entre outros ajustes um aumento percentual de 20% nos salários, ticket alimentação no valor de R$ 15 reais e vale lanche de R$ 9 reais, e cesta básica no valor de R$ 252,72. O processo tem como relator o desembargador Lairto José Veloso; e como revisor, o desembargador Jorge Alvaro Marques Guedes.

No mês passado, o desembargador Lairto José Veloso, destacou que o tribunal estava preocupado com a população, que em meio a esse transtorno, é a mais prejudicada. Por isso, o Dissídio Coletivo de Natureza Econômica seria avaliado com a maior brevidade possível.

Publicidade
Publicidade