Publicidade
Manaus
PROTESTO

Ônibus enfileirados no Centro de Manaus em adesão à greve contra reformas

Muitos passageiros estão sendo obrigados a descer dos coletivos quando chegam ao Centro. T1 está fechado pelos manifestantes 28/04/2017 às 07:47 - Atualizado em 28/04/2017 às 09:38
acritica.com Manaus (AM)

A paralisação dos ônibus de Manaus em adesão ao dia de greve geral, ato nacional contra as reformas da Previdência e Trabalhista, afetou diretamente os usuários do transporte coletivo da cidade. 

Em alguns pontos do centro da capital, há ônibus parados e enfileirados. Há ônibus parados desde a Rua Tarumã, seguindo pela SILVA Ramos, Leonardo Malcher e seguindo até l Terminal de Integração 1, na Avenida Constantino Nery, que está fechado.

Na rua Tapajós, também no Centro, a equipe de reportagem viu motoristas e dobrados pedindo que os passageiros descessem dos coletivos por conta da paralisação.

Nas garagens, a movimentação é relativamente tranquila, conforme o Sinetram. Segundo o órgão, o Sindicato dos Rodoviários impediu a saída em duas garagens - Açaí e Dom Pedro. Nas outras empresas, a frota que atende a população é de 70%, seguindo ordem judicial do Tribunal Regional do Trabalho.

Parados

"A ideia é que a paralisação chegue  no terminal da Matriz. Os ônibus que chegaram a sair das garagens irão parar. Este é um dia de luta por toda a classe trabalhadora e precisamos fazer a nossa parte", disse um motorista de ônibus que preferiu não se identificar. 

A população foi totalmente pega de surpresa, como foi o caso da recepcionista Rita de Cassia de Almeida Moreira. Ela mora no São José, Zona Leste e seguia para o trabalho no Centro. "Praticamente somos obrigados a participar da paralisação, e que mais me revolta foi o fato de ter pago a passagem para chegar ao trabalho. Estava desde as 5h no aguardo do ônibus, nunca demorou tanto como hoje. E depois de tudo, ainda tenho  que passar por isso? É uma falta de respeito com a população", disse.

Na Leonardo Malcher, também houve momentos de tensão na manhã desta sexta. No local, alguns motoristas contrários à paralisação entraram em conflito com manifestantes. Até o momento, nenhuma ocorrência foi registrada. A 24ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) acompanha a movimentação.

Protestos

Na Bola da Suframa uma parte da via foi interditada por manifestantes, que estão no local com carros de som e faixas. Motoristas que fazem o transporte de trabalhadores para o Distrito e motoristas do transporte coletivo pararam os veículos e apenas uma faixa está liberada para a passagem de veículos.

Publicidade
Publicidade