Publicidade
Manaus
Manaus

Ônibus são retidos em fiscalização da Polícia Rodoviária Federal

Os cinco ônibus que apresentaram licenciamento atrasado e falta do certificado de aferição do tacógrafo estão retidos pela Polícia Rodoviária Federal até regularização 23/10/2013 às 11:19
Show 1
Os veículos foram retidos nessa terça-feira (22) por apresentarem licenciamento atrasado e falta do certificado de aferição do tacógrafo
Natan Gaia Manaus

Cinco ônibus, que trafegam no porto do Ceasa, estão retidos desde a terça-feira (22) por apresentarem licenciamento atrasado e falta do certificado de aferição do tacógrafo, durante uma fiscalização feita pela Polícia Rodoviária Federal.

Os coletivos das empresas Rondônia, Líder e Alternativo de placas: OAK2840, OAH5719, OAM3950, OAM4090 e NOK4980 estão retidos até regularização. A ação aconteceu no posto de fiscalização do Ceasa, na BR-319, KM0, e os veículos foram levados ao pátio da Polícia Rodoviária Federal.

As empresas envolvidas deverão pagar multas pelo licenciamento atrasado no valor de R$ 19.154 e pela ausência de tacógrafo, R$ 19.769. Para regularização do licenciamento elas devem procurar o Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM) e pela ausência do tacógrafo o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Rodoviária Federal, se um desses veículos sem licenciamento se envolver em algum acidente de trânsito e não tiver o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro DPVAT), que indeniza vítimas de acidentes de trânsito, vai gerar problemas às vítimas que não vão conseguir indenizações de forma rápida.  

Fiscalização

Ainda de acordo com a assessoria da Polícia Rodoviária Federal a fiscalização é rotineira e o tacógrafo é um aparelho inserido nos veículos de transporte coletivo e de carga, usado para controlar velocidade e percurso nos veículos .

Segundo a resolução 406/2012 do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), na fiscalização, o policial ou agente fiscalizador deve verificar obrigatoriamente se o tacógrafo esta devidamente certificado pelo Inmetro.

Com a placa do veículo e por meio do site do Inmetro é possível que o policial identifique se o tacógrafo foi ou não certificado.


Leia mais na edição impressa do jornal A Crítica desta quarta (24)

Publicidade
Publicidade