Publicidade
Manaus
Manaus

Operação 'de guerra' no concurso do TJ-AM

Presidente da Comissão de Concursos, Aristóteles Thury, anuncia medidas para blindar certame contra apadrinhamentos. As provas serão aplicadas em três municípios 30/05/2013 às 13:13
Show 1
Policiais militares, a equipe de inteligência da Ppolícia Federal e uma empresa de segurança particular fazem parte do grupo que vai garantir segurança e lisura
Rosiene Carvalho Manaus

Os 76.211 inscritos para o concurso do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), cujas provas começam a ser realizadas neste domingo (2), irão contar com rigoroso controle de segurança no certame para que nenhum candidato se beneficie de “apadrinhamentos”.  A garantia foi dada, ontem, pelo presidente da Comissão dos Concursos do TJ-AM, Aristóteles Thury, e pelo presidente do tribunal, Ari Moutinho.

“Os critérios que buscamos para a realização deste concurso foi de sigilo nas provas, transparência nos atos e responsabilidade. Queremos que o resultado demonstre realmente que serão aprovados os que têm conhecimento, quem têm mérito para lograr êxito. Não queremos ajudar ‘afilhados’, parentes, conhecidos ou pessoas recomendadas em grau de amizade. O critério será rigorosamente técnico”, declarou Ari Moutinho.

O TJ-AM informou que 130 policiais militares, a equipe de inteligência da Polícia Federal (PF) e uma empresa de segurança particular contratada pela Fundação Getúlio Vargas, que é a responsável pela realização das provas, estão envolvidas no trabalho de segurança do certame em Manaus. O objetivo é assegurar que ninguém tenha acesso às provas antes da aplicação da mesma e evitar as fraudes.

“A prova será realizada com toda lisura possível. A PF, a Polícia Militar vão nos dar apoio no dia. Queremos demonstrar toda a transparência que a comissão está tendo na realização desses dois certames que serão realizados na capital e no interior do Amazonas”, declarou o desembargador Aristóteles Thury.

Igualdade

O presidente do TJ-AM Ari Moutinho afirmou que tudo que estava ao alcance do órgão, para assegurar que os candidatos tenham condições de igualdade na disputa, foi feito. De acordo com o presidente, até na terça-feira, foram realizados ajustes na Comissão de Concursos do TJ-AM em respeito aos critérios exigidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Uma das exigências do CNJ é que ninguém ligado aos membros da comissão - como parentes e assessores - se inscreva no concurso. Por conta dessa exigência, o número de aptos a compor a comissão foi reduzido. Na terça-feira, por exemplo, o juiz Paulo Feitoza teve que deixar a comissão após tomar conhecimento que um dos assessores dele se candidatou no certame do TJ-AM. “A comissão está formada por homens e mulheres dignos”, afirmou o desembargador Thury.

Aristóteles Thury declarou, ainda, que os candidatos que forem abordados por terceiro para fraudar o certame estarão sendo enganados. “Alerto que, aqueles que forem abordados por pessoas desqualificadas, que não comprem, porque poderão estar apenas sendo iludidos. Porque não existirá quebra do sigilo das provas”, disse.

Portões fecham às 13h, no domingo

A Comissão de Concursos do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) informou, por meio da assessoria de comunicação, que, em nenhuma hipótese, haverá tolerância no horário estipulado para fechamento dos portões dos locais de realização das provas.

Os candidatos que não quiserem ficar do lado de fora terão que estar nos seus respectivos locais de prova até as 13h, horário de Manaus.

De acordo com a organização do concurso, o acesso às escolas será liberado a partir das 12h. A recomendação é que os candidatos estejam no local uma hora antes do marcado para o início das provas. Os candidatos deverão levar caneta esferográfica azul ou preta de ponta grossa para marcar o cartão resposta. Deverão ainda apresentar o comprovante de inscrição e um documento de identidade com foto.

Serão considerados documentos com foto: RG; carteiras expedidas pelos comandos militares, pelos órgãos fiscalizadores do exercício profissional (ordens e conselhos), passaporte, carteira de trabalho e carteira de habilitação.

Quem ainda tiver dúvida sobre o local de prova, pode conferir o endereço pela internet: http://fgvprojetos.fgv.br/concursos/tjam13


Fim do déficit de juízes

O desembargador Aristóteles Thury declarou, nessa quarta-feira, que a realização do concurso do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) deste ano é um marco para o Judiciário. Isso porque, segundo Thury, pela primeira vez, todas as comarcas do interior do Estado terão um juiz nomeado após o certame.

Além das 263 vagas para cargos administrativos em Manaus e das 37 no interior, o TJ-AM selecionará também 31 juízes, que até abril de 2014 deverão ser nomeados para as comarcas dos municípios que estão sem juiz titular.

“As vagas vão suprir, sobretudo, as áreas acéfalas como de juízes substitutos que serão designados para o interior. Temos uma defasagem muito grande de juízes no interior. Esse concurso vem suprir, da mesma forma que os servidores da capital, as vagas para a área administrativa que temos no nosso tribunal”, declarou Aristóteles Thury.

Thury afirmou que cobrir todas as comarcas com magistrados será um momento histórico para o Judiciário no Estado do Amazonas. “Com certeza é um momento histórico. E tem mais o tempo que o tribunal ficou sem fazer concurso. São quase nove anos sem realizar concurso”, declarou.

Salários

As 31 vagas para juízes são as que oferecem o maior salário do concurso que o TJ-AM irá realizar. A remuneração inicial é de R$ 19.535,27 além de outras vantagens concedidas à categoria. As provas para juízes serão aplicadas na próxima quarta-feira, no dia 5 de junho.

Os demais salários variam entre R$ 1.823, 75 (nível fundamental) e R$ 6.787, 06 (nível superior). A carga horária de trabalho é de seis horas por dia.

Provas em três cidades

Além de Manaus, dois municípios do interior do Amazonas terão aplicação de provas para o concurso do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM). Todos da região metropolitana de Manaus, são eles: Manacapuru e Itacoatiara.

Os selecionados no certame devem preencher vagas distribuídas em sete cidades: Careiro Castanho, Careiro da Várzea, Iranduba, Manacapuru, Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo e Itacoatiara. 

As provas, neste final de semana, serão feitas por candidatos que disputam vagas de assistente judiciário em que são exigidas formação de nível médio de escolaridade.  Também serão aplicadas provas, em Manaus e no interior, para o cargo de oficial de justiça e leiloeiro, cuja a exigência é de nível superior de escolaridade.

No município de Itacoatiara, segundo informações do TJ-AM, as provas serão aplicadas em três escolas. O total de inscritos na cidade é de 1.051. Em Manacapuru, quatro escolas serão usadas para a realização das provas do TJ-AM. No total, 1.959 pessoas se inscreveram para concorrer às vagas disponíveis naquele município.

Em Manaus, 64 escolas receberão candidatos às vagas em disputa do TJ-AM. São locais cedidos pelas secretarias de Estado e de Município de Educação e por instituições particulares.

Publicidade
Publicidade