Publicidade
Manaus
ESPANCADO

Padrasto que matou enteado de 1 ano em Manaus culpava criança por aborto da mãe

Segundo a polícia, homem confessou o crime e disse que o fez porque a criança estava chorando muito. Crime ocorreu enquanto a mãe trabalhava 24/05/2017 às 11:31 - Atualizado em 24/05/2017 às 14:33
Show 6514442e b84a 461b 887b 9e4f8c7eb8ec
(Foto: Jander Robson)
Dani Brito Manaus (AM)

Sem demonstrar nenhum tipo de emoção, Anderson Carneiro de Paiva, de 22 anos, foi apresentado na manhã de hoje (24) pela Polícia Civil, em Manaus, como acusado de ter matado o enteado dele, um bebê de 1 ano e 8 meses, por agressão física. O crime aconteceu por volta das 18h30 de ontem, terça-feira (23), na casa onde a família morava, na comunidade N. S. de Fátima, bairro Novo Aleixo, na Zona Norte da capital.

Segundo a delegada Juliana Tuma, da Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (DEPCA), o rapaz confessou o assassinato e disse que o fez porque a criança, identificada como Alex Gabriel Silva de Oliveira, estava chorando muito. “A mãe dele tinha saído para trabalhar e o havia deixado sob os cuidados do padrasto. Ao chegar em casa ela percebeu que o bebê estava com as mãos e os pés roxos e com o estômago muito inchado. Ela então o levou ao hospital, porém a criança já chegou em óbito ao local”, disse Tuma.

A mãe, uma adolescente de 15 anos, foi levada à delegacia para prestar esclarecimentos. Em depoimento, segundo a delegada Juliana Tuma, ela afirmou que nunca tinha visto o marido bater na criança, no entanto informou que o padrasto já tinha uma espécie de “magia” pelo enteado. O bebê era fruto de um relacionamento anterior dela com outro homem.

“Essa mãe tinha engravidado de Anderson e quando estava com quatro meses de gravidez ela perdeu o bebê. Então Anderson passou a culpar o enteado pelo aborto do filho dele, com a desculpa de que como a mãe carregava o outro filho no colo, seria o causador do aborto do bebê que estava na barriga”, destacou a delegada.

Ainda segundo a polícia, o bebê apresentava sinais arranhões anteriores, o que também será investigado. “O que houve aqui foi um homicídio qualificado. No entanto iremos continuar as investigações para saber como era a vida desse bebê”, destacou Tuma.

Anderson foi preso também ontem no Hospital e Pronto Socorro Platão Araújo, onde a criança havia sido levada. Ele foi apresentado na DEPCA, onde foi autuado em flagrante por homicídio qualificado. Na tarde de hoje (24) ele será levado ao Fórum Ministro Henoch Reis para ser submetido à audiência de custódia.

Publicidade
Publicidade