Publicidade
Manaus
Risco de ficar cega

Pais pedem ajuda para custear cirurgia no olho esquerdo de filha de três meses

Pietra Cecílio corre o risco de ficar cega do olho esquerdo caso não realize uma lensectomia e uma vitrectomia posterior via pars plana. Os procedimentos custam no total R$ 19.800 12/12/2016 às 14:35 - Atualizado em 12/12/2016 às 18:58
Show crian a
Pietra Cecílio nasceu com persistência hiperplásica do vítreo primitivo. Foto: Divulgação
Rafael Seixas Manaus (AM)

A pequena Pietra Cecílio, de três meses, nasceu com um desenvolvimento anormal chamado persistência hiperplásica do vítreo primitivo. Por conta da anomalia, ela pode ficar cega do olho esquerdo. Seus pais pedem ajuda da população para custear a cirurgia de urgência da criança no valor de R$ 19.800.

Segundo a mãe da menina, Fernanda Cecílio, 30, os procedimentos cirúrgicos se chamam lensectomia e vitrectomia posterior via pars plana. “A persistência no vítreo é uma malformação que se dá com dois meses de gestação. É como se fosse uma ‘raiz’ puxando o olhinho esquerdo dela para trás. Como essa raiz está impedindo que a luz chegue ao olho para desenvolvê-lo, o perigo e a urgência da cirurgia é para que a retina não descole e ela corra o risco de ficar cega”, explicou, muito emocionada.

O pai de Pietra, Fausto Richardson, 30, disse à reportagem que o médico que acompanha o caso falou que o ideal é que a cirurgia ocorra até esta quarta-feira (14). Mesmo juntando suas rendas, fazendo rifas e feijoadas, os pais não conseguiram arrecadar nem a metade do valor da cirurgia. “Quero pedir a colaboração de todos para ajudar a nossa filha, para que possam lhe dar esse presente de Natal que é enxergar”.

De acordo com Fernanda, apenas três oftalmologistas em Manaus realizam os procedimentos, mas nenhum atende pelo seu plano de saúde da Unimed. Ela entrou em contato diversas vezes com a rede de assistência médica requerendo que paguem os procedimentos de Pietra, mas não obteve resposta das várias solicitações que fez por e-mail e telefone, conforme orientada pela Central de Atendimento da Unimed.

“Corremos atrás do nosso plano de saúde da Unimed, mas aqui em Manaus só três especialistas fazem esses procedimentos, mas não atendem por lá. Um deles é o médico que está acompanhando a Pietra, o oftalmologista Jefferson Augusto Ribeiro. Pelo telefone, a Unimed Manaus pede para enviarmos e-mail. Já enviamos vários, mas até agora não obtivemos retorno de nada”, declarou a mãe, complementando que o oftalmologista Francisco Marinho lhe encaminhou para quatro locais que realizariam a cirurgia pelo plano de saúde da Unimed, mas chegando neles foi informada que os procedimentos não eram feitos.

As doações para Pietra podem ser feitas por meio da conta corrente Bradesco em nome de Márcia Adriana Castro Cecílio: agência 3733-8 e conta 0018658-9; da conta corrente Caixa em nome de Fernanda Araújo Rodrigues: agência 2980, conta 00011489-4 e operação 013; e da conta corrente Itaú em nome de Fausto Richardson do Nascimento Cecílio: agência 7857 e conta 03872-8.

Resposta do plano de saúde

Em nota, assessoria de imprensa da Unimed informou que o plano do Fausto Cecílio não é da Unimed Manaus e sim da Unimed Seguros, sendo atendido pelo Intercâmbio.

Ainda de acordo com a rede de assistência médica, para o procedimento que a Pietra necessita não existem prestadores em Manaus. A família já deu entrada desse caso na central, e inclusive já foi informada, pelo próprio Dr. Marinho da impossibilidade de realizar a cirurgia no Amazonas.

A Seguros Unimed informa que foi acionada diretamente apenas na última sexta-feira (09/12), via Fale Conosco, entrou em contato com o cliente e já está tomando as medidas necessárias para assegurar o adequado atendimento ao paciente.

Publicidade
Publicidade