Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Manaus

Parada Gay colore Avenida do Samba

Avenida do Samba foi tomada por pelo menos 50 mil pessoas que se divertiram com as performances de drag queens



1.jpg
“Homofobia tem solução: educação e criminalização”
16/09/2012 às 21:50

Com o apoio de “anjos” e “demônios”, a 15ª edição da Parada Gay reuniu em torno de 50 mil participantes, conforme estimativa da Polícia Militar (PM). A festa aconteceu das 16h de ontem até por volta das 2h desta manhã, na Avenida do Samba, entre a rua Loris Cordovil e a avenida Pedro Teixeira, na Zona Centro-Oeste, e contou com muita música eletrônica, trios elétricos, shows de drag queens e gogo boys.

Apesar da estimativa de participação menor que a esperada (200 mil) - e até mesmo menos que a quantidade de pessoas presentes na edição anterior (120 mil) -, o movimento comemorou a aceitação cada vez maior de famílias heterossexuais à festa, especialmente em um ano no qual o tema foi “Homofobia tem solução: educação e criminalização”.

De acordo com a presidente da Associação Amazonense de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Travestis (AAGLBT), Bruna La Close, em 12 anos de representação no Estado é perceptível o respeito cada vez maior da população à classe.

A dona-de-casa Nazaré Marques Lima levou os três filhos ao evento. Ela destacou que as crianças precisam ser ensinadas desde cedo a respeitar o próximo. Junto ao marido, a bibliotecária Simone Gomes também levou o filho de cinco anos para participar da Parada Gay pela primeira vez. Simone destacou que todos precisam aprender a conviver com a diversidade sexual.

Quem se emocionou com o número de famílias heterossexuais entre o público brincante foi o apresentador oficial do evento, Daniel Rodrigo da Silva. “A gente observa a quebra de barreiras”, avaliou.

O esquema de segurança montado para o evento contou com um grupo de 150 policiais militares, sob o comando do capitão do Comando de Policiamento de Área da Força Tática Centro-Sul, Leandro Benevides.

Com a realização do evento, Bruna Bruna La Close comentou que a AAGLBT deve se mobilizar para apresentar aos prefeituráveis propostas específicas para a classe. De acordo com ela, no caso da saúde, por exemplo, ainda existe receio em atender travestis. “Vamos sentar com os candidatos e abordar nossos projetos de governo”, frisou.

Confira galeria


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.