Publicidade
Manaus
ABANDONO

Parque do Prosamim sofre com matagal, vandalismo e insegurança no Centro

Moradores denunciaram problemas em área que seria de requalificação urbanística e de recuperação ambiental. Governo informou que mais de R$ 8 milhões serão investidos em reformas de parques 07/05/2018 às 08:41 - Atualizado em 07/05/2018 às 11:09
Show parquepaulojacob1
(Fotos: Euzivaldo Queiroz)
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Sem ocupação cultural salutar, e manutenção devida, um patrimônio tende naturalmente a sucumbir. É o que está ocorrendo com o Parque Desembargador Paulo Jacob, área de requalificação urbanística e de recuperação ambiental que integra o Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim). Inaugurado em 17 de março de 2010 e localizado entre a ruas Igarapé de Manaus e um trecho da Major Gabriel,  boa parte dos seus frequentadores, famílias dos arredores ou transeuntes, convivem com um melancólico cenário de depredação e ruína do patrimônio público.

De perto ou longe o que mais chama a atenção é o matagal que consome boa parte do parque e que já está invadindo as áreas de caminhadas e ciclofaixas.

Quem percorre o parque também se depara com velhas lixeiras transbordando com sacos plásticos cheios, restos de alimentos, garrafas PET e papelão. E o perigo de escorregar em algum dejeto.

Se você percorrer as pontes do parque que ligam as vias Igarapé de Manaus e Major Gabriel vai perceber que as bases metálicas das estruturas estão enferrujadas e carcomidas, se deteriorando a cada dia. E, sem manutenção, correm o sério risco de desabar com os anos. Os bancos de concretos, bem como os quiosques de lanches (que estão em funcionamento) estão pichados.

A quadra poliesportiva está em situação deprimente: as grades de proteção ao redor estão quebradas. O chuveiro, ao lado, virou um enfeite vertical sem água para refrescar os atletas. Vândalos arrombaram e danificaram as caixas de fiação elétrica do parque. Além de tudo isso que foi relatado, o local convive com a insegurança de recorrentes assaltos e a presença de usuários de drogas. Há quiosques que foram invadidos por criminosos de madrugada.

Durante a apuração da matéria a reportagem não registrou a presença de policiais militares no parque ou nas imediações. 

“Há criminosos que assaltam as pessoas lá na avenida Sete de Setembro e vem correndo aqui pro parque. E há deles que ficam fazendo as suas necessidades aqui na frente de todo mundo, urinando”, disse a dona de casa Selma Lopes, 68, que mora nos arredores do parque. Sua filha, a advogada Nádila Fernandes, 48, lamenta que seus filhos não possam mais brincar livremente no local “por não haver mais segurança de dia e de noite; as crianças ficam a mercê dessa situação”. Ela já foi assaltada nas imediações do parque: “Colocaram uma arma na minha cintura. E o assaltante virou para o meu filho mais velho e falou que daria um tiro em mim caso ele não ‘passasse’ o celular”.  

O artista de rua venezuelano Raul Benito comentou ter ficado triste ao passar com dificuldade com sua bike pela ciclofaixa tomada em boa parte pelo mato. “Isso me dá uma dor no coração. Acho que o parque deveria passar por uma manutenção pois é um local para recreação onde as pessoas andam, além de bikes, também com patins. É o lazer do povo que está sendo descuidado”, disse o morador do Centro.

“Acho que essa área poderia se tornar mais viva se houvessem shows ou outros eventos culturais e esporte para o público”, disse o estudante Tiago Mateus, 15, morador das imediações do parque.

Para tentar atenuar a situação de depredação, moradoras como Selma Lopes e sua filha Nádila vem fazendo ações isoladas como o plantio de mudas e a construção de um minijardim. “Mas há algum tempo vieram podar a vegetação e passaram por cima de um pé de Pau Brasil”, afirma Selma Lopes. Curiosidade: a entrevista com mãe e filha ocorreu sob a sombra de uma árvore plantada pelo marido dela, que é agrônomo.

Estado anuncia reforma e revitalização dos parques

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Manaus (SRMM) e a Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE) informam que o Governo do Amazonas vai investir R$ 8.184.283,32 na recuperação e revitalização de todos os Parques do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim).

Além do Parque Paulo Jacob, também serão contemplados os parques Manaus, Mestre Chico, Bittencourt, Manaus II, Igarapé da Freira, Triângulo do São Raimundo e o Parque Linear Beira Rio.

A licitação está em fase final de elaboração e o edital deve ser lançado até maio deste ano. A reforma vai beneficiar diretamente mais de 2.800 famílias do Prosamim e toda cidade de Manaus, que vai ganhar mais opções de lazer e convivência.

Até o fim da licitação, um calendário de limpeza periódica está em execução em todos os parques do Prosamim. O Paulo Jacob deverá receber serviços de limpeza em no máximo 15 dias, de acordo com o cronograma montado.

Publicidade
Publicidade