Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
Capturar.JPG
publicidade
publicidade

MOURA TAPAJÓZ

Bebê morre em parto e caso vai parar na polícia após pais denunciarem negligência

Jovem, que estava grávida de cinco meses, entrou em trabalho de parto sozinha. O parto, conforme familiar, foi em pé e os pés do bebê saíram antes da cabeça. Caso ocorreu na Maternidade Doutor Moura Tapajóz


29/08/2017 às 22:01

A família de Rayandra Melo Malafaia, 19, denunciou à Polícia Civil uma das equipes de enfermeiros da Maternidade Doutor Moura Tapajóz, no Bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus.  Segundo os familiares de Rayandra,  a falta de atendimento adequado levou à morte da filha da jovem, logo depois do parto, ocorrido na última sexta-feira. 

De acordo com a cunhada da jovem, a professora Nataiane Gomes da Silva, 26, dois dias antes do parto, Rayandra fez exames de ultrassonografia na maternidade e tudo estava sem alterações. Por volta das 10h  da sexta-feira a jovem sentiu dores e foi levada à unidade hospitalar.

“Ela sentia muitas dores na barriga e estava perdendo líquido, então ela fez uma ultrassom. A médica disse  para ela tomar uns remédios e a mandaram para uma sala. Ninguém nos disse quais remédios eram. Depois de algumas horas, ela começou sentir as contrações”, disse, acrescentando que a família foi informada por alguns profissionais que o bebê estava morto, mas na hora do parto se debatia muito. 

Rayandra, que estava grávida de cinco meses, entrou em trabalho de parto sozinha. O parto, conforme Nataiane, foi em pé e os pés do bebê saíram antes da cabeça.

“A cabeça ficou presa e precisava de auxilio médico para sair. Ele estava com vida e se debatia muito. Só depois de 15 minutos depois, o médico apareceu e a cabeça da criança estava roxa, por conta da posição em que o bebê nasceu. Ele estava sufocando. Após o nascimento da criança, alguns enfermeiros enrolaram a criança em um pedaço de papel e a declararam como morta”, disse Nataiane. O bebê, no entanto, ainda chegou a ser levado a uma incubadora, segundo Nataiane.

A cunhada de Rayandra disse ainda que houve discussão na maternidade para que a mãe pudesse ver a criança. “Houve confusão com as enfermeiras que estavam atendendo, primeiro porque elas não diziam qual o medicamento que minha cunhada tomou, muito menos o procedimento que seria feito logo em seguida. A criança foi até levada a incubadora, mas nada mais podíamos fazer. A negligência ocasionou  morte dessa bebê”, denunciou. 

publicidade

O autônomo Cayron Silva, 20, pai do bebê, acionou a Polícia Militar e contou toda a situação. Logo em seguida, ele informou que enfermeiras e médicos entraram em contradição e o caso foi parar na delegacia.

“Alguns diziam que a criança ainda estava viva e outros que ela já nasceu morta. Nenhum exame foi feito na Rayandra. Nosso bebê tinha cinco meses de gestação e a minha esposa fazia o pré-natal todos os meses. Os resultados eram sempre muito positivos, tanto a mãe como o bebê estavam saudáveis. É revoltante!”, disse. 

Rayandra teve alta da maternidade na última segunda-feira, está em casa e não corre risco de morte. O caso foi registrado no 8º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

IML se negou em fazer necrópsia,  diz cunhada da mãe

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa)   informou que a comissão que administra o quadro de funcionários vai averiguar os fatos para saber o que ocorreu, identificando os enfermeiros e médicos que estavam no plantão. A secretaria prometeu que assim que tiver todos os dados sobre o ocorrido e as decisões que serão tomadas, serão repassadas à imprensa.

Em entrevista à TV A CRÍTICA, o pai do bebê disse esse foi o pior pesado que o casal poderia ter. A mãe disse:  “eu confio em Deus que vou fazer justiça pela vida dela  porque é muito doloroso ver esse sonho se transformando em pesadelo”.  

Nataiane, por sua vez, disse que a polícia solicitou a necrópsia, mas que o Instituto Médico Legal(IML) se negou fazer o exame, informando que não existe registro na história “de uma criança que sobrevivesse ao nascer com apenas cinco meses”.      

publicidade
publicidade
Fotografias de parto feitas por amazonense são reconhecidas por associação internacional
Registro de casos de intolerância religiosa é baixo em delegacia de Manaus
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.