Publicidade
Manaus
INVESTIGAÇÃO

PC identifica 20 envolvidos em linchamento no AM e ataque contra unidade policial

Equipe policial continuará em Borba porque muitas pessoas que foram identificadas como autoras dos atos de violência se evadiram da cidade e os policiais seguem em diligências para tentar localizá-los e ouvi-los 12/07/2018 às 19:34
Show borba
Foto: Reprodução/Internet
Silane Souza Manaus (AM)

A equipe da Polícia Civil que está em Borba (a 151 quilômetros de Manaus) identificou 20 pessoas que praticaram atos de violência contra a unidade policial do município e o jovem Gabriel Lima Cardoso, de 18 anos, linchado e queimado em via pública, no início da noite do último domingo. O diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI), Mateus Moreira, disse que agora vai concluir os procedimentos e remeter, na próxima semana, o caso à Justiça, onde essas pessoas responderão pelos crimes que cometeram.

O delegado afirmou que a equipe não tem previsão de retornar a Manaus, continuará em Borba porque muitas pessoas que foram identificadas como autoras dos atos de violência se evadiram da cidade e os policiais seguem em diligências para tentar localizá-los e ouvi-los em depoimento. “Mas se não conseguirmos ouvir essas pessoas não haverá problema, pois os procedimentos serão concluídos da mesma forma e elas irão responder na Justiça do mesmo modo”, ressaltou. Moreira não soube informar quantas dessas pessoas ainda não foram encontradas.

Os trabalhos da polícia em Borba começaram ainda na manhã de segunda-feira (09) e estão sendo comandados pelo delegado Matheus Moreira. Os policiais usaram as imagens do linchamento feitas por populares e que foram postadas nas redes sociais para identificar os que participaram da invasão ao quartel da Polícia Militar e do linchamento de Gabriel. O jovem tinha sido preso acusado de matar a adolescente Patriciene Barros dos Santos, 14.

O linchamento de Gabriel aconteceu em via pública no município, depois que dezenas de pessoas invadiram o quartel da Polícia Militar do município, onde ele estava preso, e o tiraram de lá. De acordo com o secretário de Segurança do Estado, coronel Anésio Paiva, alguns policiais chegaram a ser feridos pela população na invasão ao quartel.

Publicidade
Publicidade