Quinta-feira, 18 de Abril de 2019
publicidade
1.gif
publicidade
publicidade

Manaus

Peixe já está até 100% mais caro nesta Sexta-Feira Santa

Preços do pescado nas feiras de Manaus apresentam grande variação em relação à semana passada. Motivo é aumento da demanda na Páscoa


03/04/2015 às 12:16

Com o aumento no fluxo de consumidores de peixe nesse período que antecede a Páscoa e o mercado abastecido, feirantes elevaram o preço do peixe. Em alguns lugares na cidade, os preços - que inicialmente teriam um aumento de 20%, anunciado pelos próprios feirantes no início da semana - chegou a subir 100% nesta quinta-feira (2).

Apesar de alguns feirantes afirmarem que não houve aumento significativo no valor do pescado, o consumidor sentiu a diferença do inicio da semana para os dias mais próximos à Páscoa. Rubens Colares, policial civil e dono de restaurante, acostumado a comprar peixe na Manaus Moderna, afirma que os valores tiveram alta expressiva. “Eu compro peixe aqui no mercado quase todo dia, e vim agora abastecer para a Semana Santa. O aumento de terça para hoje foi grande. O tambaqui, por exemplo, eu comprava na semana passada por R$ 30, e agora está R$ 60 o mesmo peixe, do mesmo tamanho”, afirma.

Isso não ocorreu somente com o tambaqui. O jaraqui, que está também entre os peixes mais vendidos, segundo os feirantes, também registrou um grande aumento no valor da compra. “Antes, com R$ 20 eu comprava 14 jaraquis, agora com esse mesmo valor eu consigo comprar só 5 ou 7 unidades do peixe”, complementa Rubens. O matrinxã também foi encontrado pelo mesmo valor, 4 unidades do pescado, R$ 20. E o tucunaré está sendo vendido por R$ 15 a unidade.

Apesar disso, o fluxo de consumidores nas feiras tem sido grande e o crescimento esperado pelos feirantes foi também superado. Para Kelly Alessandra Cascais, feirante, 32, eram vendidas em média, 40 unidades de peixe, até mesmo no início da Semana Santa, mas próximo ao final de semana, esse número cresceu expressivamente. “Em média, vendíamos 40 unidades de peixe no meu quiosque. Mas ontem, conseguimos vender 400 unidades”, afirma.

Nos supermercados, onde se concentram os valores mais altos de venda do pescado, a situação é a mesma. Em um estabelecimento na zona centro sul de Manaus, o tambaqui, que até terça-feira (31) custava R$ 50, chegou a R$ 100. Carlos Costa, dentista, 41, afirma que percebeu o aumento no valor do pescado e também a ausência da variedade deles. “Antes da Semana Santa, tinha mais variedade de pescado. Agora não tem, por exemplo, pescada e tucunaré. A gente só encontra na maioria dos supermercados, tambaqui e pirarucu e com preços salgados”. Para ele, a comodidade e a procedência do pescado é um fator determinante para pagar um pouco mais caro. “Compro em supermercado porque a higiene do local é diferente”, afirma.

Demanda segurou os preços

O aumento dos preços nas feiras não havia ocorrido até terça-feira devido à fraca demanda que acontecia no início da semana. “Tentamos segurar o preço porque o movimento não estava muito bom, mas sabíamos que, com as pessoas recebendo os seus salários, final do mês, a tendência era crescer. Na terça o movimento foi muito fraco, mas nessa quarta, teve que reforçar até os ajudantes para atender os clientes ”, afirma o feirante João de Deus, 58.

“De certa maneira, a gente já esperava por isso. Mas fazer o quê? Quem consegue poupar dinheiro, chega nesse período e consegue comprar mais barato. Mas quem não consegue, que é a maioria dos brasileiros, paga mais caro”, afirma o industriário Pedro Lucas Souza, 31. “É por isso que muita gente recorre aos peixes vendidos em outros estabelecimentos irregulares”, complementa.

publicidade
publicidade
Maior distribuidora de peças automotivas do Brasil abre unidade em Manaus
Dificuldade de aprendizagem em crianças é tema de workshop em Manaus
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.