Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019
DADO ALARMANTE

Pelo menos seis postos de combustíveis são assaltados por dia em Manaus

Estatística é Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lubrificantes, Álcool e Gás Natural do Amazonas (Sindcam). Postos de gasolina tem fechado mais cedo por conta do perigo de assaltos



posto.jpg Donos de postos têm orientado a ter quantia inferior para dar aos ladrões (Foto: Bruno Kelly/AC)
04/07/2016 às 05:00

Pelo menos seis autos postos são assaltados por dia em Manaus, conforme informou o presidente o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lubrificantes, Álcool e Gás Natural do Amazonas (Sindcam), Luiz Felipe Pinto. Os assaltos acontecem a qualquer hora do dia ou da noite e, para evitar maiores danos ao patrimônio os empresários criaram meios que para eles garante principalmente a integridade do funcionário.

De acordo com Luiz Felipe, os ladrões levam dinheiro, combustível e se houver alguma reação por parte do frentista, levam até a vida. Em um posto no bairro Santo Agostinho na Zona Oeste, os frentistas foram orientados a não ficarem mais na pista aguardando pelo cliente. Eles ficam em um local protegido de onde observam quem chega para abastecer e só vão para as bombas quando tem a certeza que é cliente e não assaltantes.



Há postos que para evitar que os frentistas sejam agredidos e até mortos pelos ladrões, a orientação é que eles sempre tenham no bolso uma quantia de dinheiro para dar aos criminosos. Luiz Felipe explica que o dinheiro do troco surgiu para desestimular os ladrões a assaltar postos. “Antes eles chegavam para assaltar e levavam toda a renda e ainda não ficavam satisfeitos”, disse.

Para que o prejuízo não seja maior, o uso de cofres conhecidos como “boca de lobo” é adotado pela maioria dos empresários que somente a empresa de transporte de valores pode abrir. De acordo com o sindicalista, hoje há assaltantes que chegam para abastecer como se fossem clientes. Eles mandam encher o tanque do carro e na hora de pagar eles levantam a camisa e mostram uma arma que tem na cintura.

No fim da semana passada Luiz Felipe disse que um dos seus postos, o Camapuã, na avenida do mesmo nome, Zona Leste, foi assaltado duas vezes: uma no sábado e outra no domingo. Em uma, os ladrões levaram dinheiro e na outra, o tanque cheio de gasolina. De acordo com ele, nem mesmo as câmeras de segurança instaladas nos estabelecimentos, não intimidam mais os criminosos.

Na semana passada, o auto posto Tarumã, na Avenida do Turismo, foi assaltado por ladrões que chegaram em um Gol vermelho. Mandaram encher o tanque e na hora de pagar usaram uma arma de fogo para intimidar o frentista e fugiram sem pagar.

Frentistas pedem demissões

Há ainda postos de gasolina que antes funcionavam 24 horas por dia, agora estão fechando durante a noite. Muitos proprietários, devido aos constantes assaltos, estão preferindo fechar os estabelecimentos por volta de 23h e voltando a funcionar no dia seguinte. A maioria destes fica na Avenida do Turismo e no bairro São José, na Zona Leste.

De acordo com o frentista Adonay Albuquerque, 35, o medo de assalto tem levado muitos frentistas a pedirem a conta.  A ordem é ter cautela, evitar reagir às ordens do assaltante, não usar relógio e celular enquanto estiver trabalhando e manter o trocado no bolso. “Essas práticas tem evitado os ataques pessoais, como agressões físicas e até tentativa de homicídio”, disse o frentista.

O empresário Ralph Assayag, dono de auto postos, disse que os seus estabelecimentos já foram alvos de ladrões. Para preservar a integridade física dos seus funcionários e do patrimônio ele utiliza meios tradicionais de segurança, como as câmeras.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.