Publicidade
Manaus
PREÇOS POPULARES

Pescadores vendem pirarucu fresco e salgado de R$ 14 a R$ 20, amanhã e sábado

Pescado com produção legalizado será vendido na FAS, nesta sexta-feira, e em feira no Cassam, na manhã de sábado 20/10/2016 às 11:11
Show feira do pirarucu manejado  realizado em manaus com apoio do bolsa floresta renda  bruno kelly  1
Serão disponibilizados mais de uma tonelada de pirarucu (Foto: Bruno Kelly)
acritica.com* Manaus (AM)

Pescadores das Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá e Cujubim (632 e 1100 km de distância, respectivamente) venderão em Manaus a partir da próxima sexta-feira (21) pirarucu fresco e salgado, trazidos direto de lagos dos rios Solimões e Jutaí. Toda a produção é legalizada, seguindo as regras de manejo do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O pescado será vendido a preços populares das 8h às 18h nesta sexta-feira (21), na sede da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Rua Álvaro Braga, 351, Parque 10 de Novembro, zona Centro-Sul de Manaus. No sábado (22), os pescadores estarão na Feira da Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS), no Clube dos Suboficiais e Sargentos da Aeronáutica (Cassam), das 8h às 12h, Av. Rodrigo Otávio, s/n, Crespo.

Serão disponibilizados mais de uma tonelada de pirarucu. O  filé do peixe fresco custará R$ 16,00 o quilo, a manta, R$ 15,00 o quilo, a ventrecha a R$ 14,00 o quilo, e a carcaça do peixe, a R$ 5 o quilo. Já o filé do pirarucu seco será vendido a R$ 20,00 o quilo, e a manta, a R$ 18,00.

Além de gerar renda para famílias ribeirinhas, a atividade promove a conservação da espécie, pois estimula a manutenção de bons estoques de peixe nos lagos das unidades de conservação, explica o pescador Edvar Bezerra, presidente da Associação de Extrativistas da RDS Cujubim (Aerdsc).

“No manejo, o Ibama libera a cota para pescarmos pirarucus com peso e dimensões corretos, para garantir a reprodução para o próximo ano. Além disso, a  gente tem que proteger o lago o ano todo de pescadores ilegais, para garantir que a cota de pesca seja boa”, explica Edvar.

A produção é fruto de projetos de manejo apoiados pela FAS, em parceria com o Fundo Amazônia/BNDES e o Banco Bradesco. O projeto tem apoio do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Instituto Mamirauá, da Operação Amazônia Nativa (Opan), e do Governo do Amazonas, por meio das Secretarias de Estado do Meio Ambiente (Sema), de Produção Rural Sustentável (Sepror), e da Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS).

Programa de Geração de Renda da FAS

O Programa de Geração de Renda da FAS busca apoiar os arranjos produtivos sustentáveis, sendo decididos de forma participativa pelos ribeirinhos em assembleia comunitária, buscando contribuir para atividades econômicas já existentes voltadas ao desenvolvimento sustentável.

*Com informações de assessoria

 

Publicidade
Publicidade