Quarta-feira, 20 de Novembro de 2019
Manaus

Pesquisa revela quem são os motoristas mais ‘estressados’ do trânsito em Manaus

Professor da Ufam apresenta trabalho em que ‘mapeou’ o sentimento de raiva entre os diversos atores do trânsito



1.jpg A faixa etária mais nova dos motociclistas influencia no nível alto de estresse experimentado por eles em Manaus
22/07/2015 às 10:09

Apesar da grande diferença entre o número da frota de veículos de passeio para as demais modalidades, são os motoristas de motocicletas e de táxis os mais “estressados” no trânsito de Manaus, raiva essa que pode contribuir para o aumento de acidentes graves no trânsito. A pesquisa foi apresentada ontem na abertura do 1º ciclo de palestras da Semana do Condutor. A série de atividades seguirá até o dia 27 deste mês.

A tese é de autoria do psicólogo Luís Alberto Presa, professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Segundo ele, a pesquisa durou cerca de dois anos e analisou o nível médio de estresse em 400 motoristas que circulam pelas ruas de Manaus.



“Eu mapeei a emoção raivosa em motoristas de automóvel, caminhão, ônibus, taxis e motocicletas. Foram entrevistados 400 motoristas e vimos as raivas médias de cada um. Para isso, usamos dois testes psicológicos, um que mede a raiva na vida geral e outro que leva em consideração situações cotidianas do trânsito”, explicou.

O especialista concluiu que, embora o tráfego da cidade seja tomado por veículos de passeio, os níveis mais altos de raiva foram observados em motociclistas e taxistas. No “ranking”, os condutores de caminhão são os mais calmos, enquanto os veículos de passeio surgem em uma situação mediana.

“No caso dos motociclistas, por exemplo, podemos explicar esse nível de raiva pela faixa etária média de motociclistas, que tende a ser menor. No estudo sobre a raiva, as pessoas mais jovens são mais nervosas que as mais maduras”, afirmou.

Ainda segundo Presa, a raiva pode ser considerada um dos principais fatores para a ocorrência de acidentes. “O aspecto emocional do motorista, principalmente a raiva, pode ser um grande fator para acidentes, embora não se possa medir isso com precisão. Uma pessoa calma e tranquila tem menor probabilidade de causar um acidente, como as mulheres, por exemplo, que conseguem administrar melhor a raiva”.

Semana do condutor

Até o dia 27, diversas atividades marcarão a Semana do Condutor em Manaus. Hoje, uma nova roda de discussões será formada para falar sobre os impactos dos acidentes no sistema de saúde, a relação social no trânsito e a bicicleta como meio de transporte sustentável. Os debates serão na Universidade Paulista (UNIP), e ações de conscientização estão previstas para ocorrer em vários pontos da cidade.

‘Ciclocidadania’ em debate

 A fim de ampliar a discussão, a Semana do Condutor convidou pela primeira vez representantes de um modal que vem ganhando espaço nas ruas da cidade, mas ainda sofre com a imprudência e a falta de espaços específicos: a bicicleta. A palestra acontece hoje, a partir das 10h.

De acordo com o diretor-presidente do Manaustrans, Paulo Henrique Martins, o evento irá possibilitar à população um maior entendimento sobre este tipo de veículo. “A gente considera o ciclista um condutor de um veículo, de forma que ele precisa estar ciente das regra e o respeito entre eles e os demais veículos precisa prevalecer”.

O presidente da Comissão dos Ciclistas do Amazonas, Jordan Gouvêia, acredita que a falta de informação contribui para os problemas causados contra quem adere a prática. “O Código de Transito fala da bicicleta como modal, mas as pessoas não têm essa informação. É preciso trazer essa temática para mostrar que nós queremos compartilhar as vias, respeitar e ser respeitados”.

Serviço

O quê?: 1º Ciclo de Palestras da “Semana do Condutor”

Onde?: Auditório da UNIP, avenida Mário Ypiranga, Parque 10

Quando?: Quarta-feira (22), a partir das 9h20



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.