Publicidade
Manaus
DOENÇAS INFECCIOSAS

Simpósio apresenta números alarmantes de casos de DST’s no AM

Alunos de Mestrado em Doenças Infecciosas da UEA apresentaram resultantes alarmantes de pesquisa feita na região norte 22/11/2016 às 05:00
Show uea
(Foto: Euzivaldo Queiroz)
Isabelle Valois Manaus (AM)

Durante o primeiro Simpósio de Infecções Sexualmente Transmissíveis do Amazonas, alunos do curso de Mestrado em Doenças Infecciosas da Universidade Estadual do Amazonas (UEA) apresentaram resultados alarmantes de pesquisas feitas na região, defendendo a discussão dos temas não só no meio acadêmico, mas integrando os profissionais da saúde, a fim de reduzir casos de doenças que poderiam ser evitadas com a prevenção ou mais facilmente tratadas se diagnosticadas precocemente. 

É o caso das mulheres portadoras de HIV que são infectadas, também, pelo HPV, especialmente um tipo específico do vírus, como explica a pesquisadora Monique Figueiredo Teixeira, na dissertação, “Infecção pelo HPV em mulheres vivendo com HIV em Manaus-Amazonas”. Conforme a orientadora de Monique, a doutora em saúde pública Adele Benzaken, moderadora do simpósio, a pesquisa identificou o  vírus “HPV 52” presente nas pacientes que também convivem com o vírus HIV.

A preocupação, diz Benzaken, se explica pelo fato de não haver imunização contra esse tipo de vírus, o que poderia provocar uma endemia. “Precisamos estar alertas com esse resultado. Temos uma vacina, mas nela não há imunização contra o HPV 52, logo precisamos alertar a sociedade acadêmica e profissional para que ela possa buscar alternativas de evitar a proliferação deste vírus”, explicou Adele.

Clamídia

A mestranda Thiele Pereira da Cruz foi outra dicente a apresentar detalhes da própria  pesquisa, de tema: “Métodos de diagnóstico laboratorial e teste de suscetibilidade a antibiótico para Neisseria gonorrhoeae”. A pesquisa apresenta um teste laboratorial mais rápido e barato ao serviço público de saúde para diagnosticar a clamídia (bactéria que pode ocasionar até a esterilidade). 

Benzaken, também orientadora do projeto, explicou que esse tema é de suma importância. “A clamídia é uma doença sexualmente transmissível muito comum, mas que pode causar muitos danos na saúde. Ela é transmitida tanto ao homem como também à mulher. Essa pesquisa vem orientar um teste mais rápido e mais barato ao serviço público”, reforçou a orientadora.

Encontro

O simpósio ocorreu durante todo o dia de ontem, no auditório Damião Litaiff, da Fundação Alfredo da Matta, localizado na Cachoeirinha, Zona Sul. Além da apresentação dos temas e materiais elaborados pelos dicentes do curso de Mestrado em Doenças Infecciosas da Universidade Estadual do Amazonas (UEA), houve a participação de outros pesquisadores que também abordaram temas parecidos, mas voltados ao País todo.

Pesquisas serão encaminhadas 

A doutora em saúde pública Adele Benzaken, que também é a diretora do Departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST/AIDS) e hepatites virais do Ministério da Saúde, informou que todas as pesquisas apresentadas no simpósio devem ser encaminhadas ao departamento para que sejam solicitadas providências o aos grupos de profissionais que atuam na área da saúde.

Publicidade
Publicidade