Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Manaus

Pessoas que buscam um mundo melhor

Moradores de bairros periféricos da cidade são autores de transformações do meio em que vivem e continuam lutando


20/04/2013 às 18:07

Na rua Pedras Coradas, número 16, bairro Nova Floresta 2, Zona Leste, a dedicação às crianças e a preocupação com um futuro melhor dos jovens de uma área periférica da cidade pode ser vista por meio do comunitário Camilo Gomes de Assunção, 70. Um exemplo de cidadania.

Em 2003 o aposentado fundou o “Projeto Cultura e Cidadania” pelo qual passou a desenvolver um trabalho social com crianças e adolescentes do bairro, oferecendo aulas gratuitas de canto, artesanato, reforço escolar, técnicas de leituras, entre outros. O projeto vai completar 10 anos no próximo dia 25 de maio.

Apesar das poucas condições e a falta de uma sede própria, Camilo conseguiu, por exemplo, montar uma pequena biblioteca com doações. Um ato de cidadania que ajuda pelo menos 30 crianças a saírem de situações de risco.

“Muitas crianças e jovens já passaram por aqui e conseguiram constituir famílias. Mas outros, infelizmente, foram mortos por traficantes, se envolveram com as drogas. Acredito que tudo isso é um grão de areia no deserto. Mas não deixo de acreditar que estou fazendo a minha parte. Gosto de servir a comunidade ajudando essas crianças a se afastarem do mundo da criminalidade, mesmo colocando minha cabeça à prêmio algumas vezes, já que lido com crianças cujos pais são usuários de drogas”, contou Camilo Gomes de Assunção.

Outro exemplo de crença na vida é Caio Silva, 42, que era proprietário de um mercadinho, assaltado em 2000. Depois do ocorrido, ele decidiu mudar de ramo e passou a se dedicar à área social. “Eu e minha família ficamos reféns dos assaltantes por pouco mais de 20 minutos. Minha esposa ficou traumatizada e a partir daí eu só tinha duas opções: ir atrás dos assaltantes ou abandonar de vez o comércio e me dedicar em outra coisa. Escolhi a segunda opção”, conta.

Trabalho em prol do bem coletivo

Hoje, Caio é coordenador do Fórum Comunitário Integrado de Políticas Públicas (FOCOINTPP). Morador do bairro Novo Reino, Zona Leste, chega a ser procurado por famílias que sofrem com problemas de alcoolismo ou drogas em casa para superarem as dificuldades. “Trabalhando num conselho comunitário de segurança, cheguei a aconselhar 13 famílias, conseguindo inserir pessoas na sociedade, para que não fossem para a marginalidade. Hoje vejo jovens que passaram por essas dificuldades e que são pessoas formadas em cursos superiores”, disse.

“Tenho buscado dar uma grande parcela de contribuição à comunidade. Busco trabalhar em prol de vários moradores e não de apenas um indivíduo. Eu faço isso porque gosto. Eu acredito que é possível reverter alguns problemas da área periférica. Pra isso temos que fazer a nossa parte”, completou Caio Silva. 


publicidade
publicidade
Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
Confira a lista dos 774 convocados no concurso da Susam de 2014
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.