Publicidade
Manaus
Fosfoetanolamina sintética

'Pílula do câncer' será comercializada na forma de suplemento alimentar em março

A informação foi divulgada numa coletiva de impressa realizada na manhã desta sexta-feira (17), por representantes da Quality Medical Line e do Instituto Pró Vida Amazônia 17/02/2017 às 14:40 - Atualizado em 17/02/2017 às 14:41
Show whatsapp image 2017 02 17 at 10.57.19
Coletiva foi cedida pelo presidente da Quality Medical Line, Humberto de Lucca, e pela diretora do Instituto Pró Vida Amazônia, Karola Caldas (Foto: Divulgação)
Silane Souza Manaus (AM)

A fosfoetanolamina sintética, que ficou conhecida como a “pílula do câncer”, será comercializada na forma de suplemento alimentar, via e-commerce, a partir de 16 de março. A informação foi divulgada numa coletiva de impressa realizada na manhã desta sexta-feira (17), por representantes da Quality Medical Line, distribuidora que viabiliza a fabricação da substância nos Estados Unidos (EUA), e do Instituto Pró Vida Amazônia, que pretende distribuí-la na região Norte.

De acordo com o presidente da Quality Medical Line, Humberto de Lucca, parte da equipe que trabalhou com o químico Gilberto Chierice no desenvolvimento da fosfoetanolamina no Instituto de Química da Universidade São Paulo (USP) em São Carlos, levou os estudos para o laboratório uruguaio Federico Diaz, que em seguida os encaminhou para outro laboratório do grupo nos Estados Unidos para aprimorar as pesquisas e desenvolver o suplemento.

“É a mesma substância só que melhorada. Com grau de pureza maior e eficácia melhor do que a fosfoetanolamina que está sendo produzida no Brasil. Aqui não existe regulamentação e as pessoas estão fabricando muito artesanalmente, não existem controle nem padrão de qualidade. Nos Estados Unidos há padrão de qualidade, boas práticas de fabricação, sistematização em grande escala e é feita de forma industrial com todos os controles de qualidade”, afirmou.

Lucca destacou que o suplemento, que vem sendo desenvolvido há um ano, foi aprovado pelo FDA, agência americana de regulação e controle de qualidade de alimentos e medicamentos. Mas, no Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda não autorizou a importação do produto em escala, por isso as pessoas só terão acesso a ele via e-commerce, ou seja, comprando-o por meio do site http://www.qualitymedicalline.com/.

Conforme ele, o pote de suplemento com 90 cápsulas deve custar em torno de US$ 150. O acesso a fosfoetanolamina deve ser facilitado com a parceria do Instituto Pró Vida Amazônia. “Nem todo mundo tem o domínio de como fazer a importação e o Instituto Pró Vida tem toda expertise para fazer isso e ajudar as pessoas que precisam ter a substância. O Pró Vida é o único instituto no Brasil a ser autorizado por nós para fazer qualquer tipo de divulgação em nosso nome”, frisou.

Personagem: Karola Caldas, diretora do Instituto Pró Vida Amazônia

O instituto está entrando nessa parceria para que os pacientes com neoplasia maligna (câncer) de toda a região Norte tenham acesso à substância sem burocracia e também de forma gratuita porque sabemos que muitos não têm condições financeiras para comprá-la. Como um instituto sem fins lucrativos nós vamos adquirir o suplemento alimentar e doar para aquelas pessoas que precisam e tiverem cadastradas. Inicialmente esse cadastro individual está sendo feito no site da Quality Medical Line (http://www.qualitymedicalline.com/), mas estamos fechando parceria para termos acesso a esse cadastro para podermos distribuir a fosfoetanolamina. Não queremos limitar o número de pessoas, se Deus quiser, iremos atingir todos que precisam da fosfo.

Publicidade
Publicidade