Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Manaus

Piscinas da Mini Vila olímpica do Santo Antônio preocupam moradores

As piscinas continuam acumulando água e há o risco de proliferação do mosquito Aedes aegypti, principal transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya



1.jpg
Sem uso nem manutenção, piscina da mini vila olímpica do Santo Antônio acumula água da chuva, transformando-se em um imenso criadouro do Aedes aegypti, inimigo número 1 da saúde pública
07/01/2016 às 10:26

Após denúncias de que as duas piscinas do Centro de Esporte e Lazer do Santo Antônio Jair Sampaio, conhecido como “Mini Vila Olímpica do Santo Antônio”, na Zona Oeste, continuavam acumulando água, com risco de proliferação do mosquito Aedes aegypti, os agentes de endemia da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) fizeram uma inspeção no local, na tarde de ontem. A água também começou a ser retirada.

Ainda que a reforma do Centro de Esporte e Lazer do Santo Antônio Jair Sampaio, conhecido como ‘Mini Vila Olímpica do Santo Antônio’, na Zona Oeste, tenha iniciado há duas semanas, os moradores reclamavam do perigo iminente. Eles padeceram por pouco mais de três anos com o descaso e abandono do centro, que já foi referência para a prática de esportes na Zona Oeste.

“Durante todo esse tempo sempre estávamos denunciando, fosse para os jornais ou para os órgãos competentes. Esta piscina descoberta é um perigo diário”, reclama a dona de casa Fátima Fonseca, 57.

A Prefeitura de Manaus tenha iniciado uma dura campanha contra o mosquito, utilizando recursos tecnológicos, como os drones para identificar possíveis criadouros e, aplicando multas que podem chegar até R$ 30 mil, mas a piscina da Mini Vila Olímpica estava toda encoberta por uma água esverdeada, como se já estivesse parada há dias, na última terça-feira.

A situação preocupa o aposentado Francisco Farias, 70. “Nós ficamos realmente muito preocupados, pois vemos nos noticiários pessoas morrendo de dengue, um surto de chikungunya e agora o zika pelo Brasil, e estas piscinas deste jeito, sem proteção”, comenta Francisco Farias, que costuma levar o cachorro para passear no local.

Segundo ele, os moradores ficaram contentes com a notícia da reforma, providenciada pela Câmara Municipal (CMM), no valor de R$ 3 milhões. “A gente espera sinceramente que as obras não fiquem paradas”, ressaltou.

Sem condições de uso, o local continuou sendo frequentado. O estudante Ruan Eduardo Ferreira, 15, por exemplo, joga bola todos os dias. “A gente nunca deixou de usar esse espaço, pois é a única área que temos pra prática de esportes. Tomara que não demore muito, pois muita gente não vê a hora de ter esse lugar de volta ”.

“Sem focos de larvas”Procurados, a Secretária de Comunicação (Semcom) da Prefeitura de Manaus informou que “profissionais secam a piscina do local dia sim, dia não”. Segundo a pasta, as piscinas estão incluídas na reforma e serão totalmente revitalizadas. A Prefeitura informou, ainda, que piscina da Mini Vila Olímpica do Coroado, na Zona Leste, também está seca para manutenção.

Em relação aos focos do mosquito Aedes aegypt, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) afirmou que “a equipe ‘Foco Gerador’ faz inspeções regularmente na Mini Vila Olímpica do bairro Santo Antônio e até o momento não foram constatadas larvas do mosquito Aedes aegypti no local”. A conclusão das obras está prevista para o mês de abril.

‘Mindu’ abandonado

No Passeio do Mindu, na Zona Centro-Sul, a preocupação é com a falta de manutenção. Todo fim de tarde a pista de caminhada fica lotada, porém os obstáculos nas calçadas, como matos, pedaços de galhos e um trecho interditado para a construção de uma academia ao ar livre incomodam os usuários.

“Esse parque foi esquecido. Antes trazíamos as crianças e elas ficavam nos brinquedos, agora não dá mais porque estão em péssimo estado”, reclamou a dona de casa Ainá Queiroz.

Na rua Samuel Benchimol, um trecho está interditado desde setembro do ano passado. Na placa consta que será instalado uma nova academia ao ar livre, no valor de R$ 242 mil. Porém a entrega seria para novembro, mas as obras ainda nem começaram. A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que um projeto de revitalização do Passeio do Mindu está sendo elaborado e o espaço ganhará duas passarelas sobre o afluente para que pedestres e ciclistas, melhorias com iluminação, recuperação dos mobiliários, entre outros. Sobre a academia ao ar livre, a pasta informou que além desta, mais quatro sofreram uma parada técnica porque o recurso do Ministério do Esporte não foi liberado. 



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.