Domingo, 15 de Dezembro de 2019
Manaus

Placa em homenagem a vítimas cai e Prefeitura de Manaus promete restabelecer a peça

Peça desabou há mais de cinco dias e está jogada embaixo do viaduto, na Djalma Batista, Flores, na Zona Centro-Sul; sobreviventes da tragédia de 28 de março de 2014 caracterizam o caso como descaso



1.jpg Placa desabou há dias e ainda não foi restabelecida. No acidente, 16 passageiros do microônibus morreram
03/01/2016 às 18:50

Símbolo de lembrança e homenagem às vítimas do acidente do dia 28 de março de 2014, a placa que leva o nome das 16 pessoas que morreram no acidente entre um microônibus e uma caçamba na avenida Djalma Batista, em frente Universidade Paulista (Unip), na Zona Centro-Sul, está jogada em baixo do viaduto Ayrton Senna, há pelo menos cinco dias. 

Segundo relatos de quem passa pelo local, a chuva e os ventos provavelmente foram os responsáveis pela queda da placa, que está atravessada embaixo do complexo viário.



A homenagem foi colocada no local após o acidente, a pedido da Primeira-Dama e secretária municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), Goreth Garcia, e mobilizou todas as secretarias do município.

A peça caída não chega a oferecer riscos à quem passa por baixo do viaduto, mas mexe com a lembrança das vítimas que sobreviveram à tragédia e dos parentes e amigos dos que morreram.

“Eu soube disso e fiquei muito triste, porque vejo isso como descaso com as famílias das vítimas. A homenagem não ameniza o sofrimento, mas não é por isso que ela tem ficar jogada assim”, desabafou uma das sobreviventes, Gisele Costa, 21, que era a cobradora do microônibus.

Procurados pelo Portal A Crítica, a Prefeitura de Manaus se comprometeu em providenciar os reparos e restabelecimento da placa póstuma a partir do início desta semana. 

O acidente

Considerado uma das maiores tragédias no trânsito manauara, o acidente do dia 28 de março, como ficou conhecido, ocorreu quando uma caçamba que prestava serviços para a prefeitura colidiu com um micro-ônibus da linha da 825, no complexo viário em frente à Universidade Paulista (Unip), na Djalma Batista, na Zona Centro-Sul.

O motorista do veículo pesado, que estava em alta velocidade e sob efeito de álcool e cocaína, perdeu o controle do veículo, invadindo a pista oposta e colidiu de frente com o coletivo da linha 825. O micro-ônibus estava lotado.

O acidente provocou a morte de 16 pessoas - uma delas grávida - e deixou dezenas de passageiros feridos.

Viaduto

Outro memorial que faz alusão ao acidente é o Complexo Viário 28 de Março, localizado entre as avenidas Torquato Tapajós e Santos Dumont - via de acesso ao Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. Inaugurado em setembro de 2014, o complexo recebeu esse nome também para homenagear as vítimas do acidente.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.