Publicidade
Manaus
Poluição visual

Placas irregulares atrapalham circulação de pedestres na av. Autaz Mirim, na Zona Leste

População reclama da falta de locomoção provocada pela presença de banners, cavaletes e engenhos afixados no local. Implurb afirma que fiscais do órgão estão em rota pela cidade fazendo estudo das situações 14/07/2016 às 09:05
Show placas
Sem espaço no canteiro central, a alternativa é caminhar na rua (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Paulo André Nunes Manaus (AM)

A avenida Autaz Mirim, na Zona Leste, é o retrato fidedigno do pandemônio que é aquela área populosa da cidade. O emaranhado de fios e cabos elétricos se mistura cada vez mais às placas de publicidade, banners, galhardetes, placas, cavaletes e outros engenhos afixados no local e que tornam difícil a locomoção e, ainda por cima, obstruem a passagem dos pedestres.

O problema é ainda mais agravado porque grande parte dessas peças publicitárias é fincada em áreas gramadas dos canteiros centrais da própria Autaz Mirim. A CRÍTICA foi ouvir as reclamações dos pedestres daquela localidade, também conhecida como avenida Grande Circular, e constatou a insatisfação de quem diariamente utiliza aquela via pública da cidade.

A reportagem constatou que a prática é feita por vários segmentos, do material de construção a alimentos e passando pelos de fios e outros materias elétricos.

Desrespeito

“Acho que isso é um grande desrespeito ao pedestre e a quem usa a via. Os comerciantes deveriam tomar alguma posição quanto a isso. E as lojas ainda põem mercadorias nas calçadas”, desabafou o cozinheiro Cleocy Lima Pereira, 29.

Ele também disse que outro agravante é que as “oficinas mecânicas colocam os veículos que vão fazer os reparos também na área em que o pedestre passa”.

Atrapalha

Quem também atua no mesmo segmento alimentar e critica a situação é Joseane Soares dos Santos, 29. Moradora do bairro Nova Conquista, ela disse que todo esse material publicitário só vem atrapalhar quem utiliza diariamente a Autaz Mirim. “Nós ficamos bastante atrapalhados ao passar em um local onde estão esses cavaletes e galhardetes, por exemplo. Fica bastante bagunçado. Uma verdadeira poluição”, comentou ela sobre o problema. 

Para o pedreiro Carlos Alberto Lima Brasil, que reside no bairro Tancredo Neves, alguma solução deveria ser feita urgentemente. “Não acho nada disso de acordo. Nós pedestres acabamos prejudicados todos os dias. Alguns vendedores instalam até varais para colocar camisas. O poder municipal deveria dar uma olhada por aqui, pois a situação está complicada. A existência dessas placas gera um visual que não é muito legal   

Desviando a atenção

Outra dificuldade para quem utiliza frequentemente aquela via da cidade é enfrentada pelos motoristas. Paralelo ao trânsito complicado de uma das vias mais movimentadas do Estado, os condutores dizem lutar para desviar a atenção das placas ou qualquer outro anúncio publicitário instalado no canteiro central ou nas calçadas.

Que o diga a motorista Sarah Santos, que utiliza a via diariamente e que disse se sentir irritada com essa situação e com a existência de duas faixas de pedestres próximo a um material de construção da área.

“Esse negócio de colocar cavalete na avenida é muito errado pois polui realmente o visual. Além disso, nos impede de ver onde está o pedestre às vezes. Vira uma bagunça. Outro problema é uma faixa de pedestre em cada local aqui na Autaz Mirim”, reclama a condutora de veículo.

Objetos podem ser apreendidos

A assessoria de comunicação do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb)  informou, em nota, que fiscais do órgão estão em rota pela cidade, fazendo o estudo das situações encontradas e notificando os responsáveis. “Após notificação, é dado um prazo para solucionar o problema. Dependendo do grau da obstrução, esse prazo pode ser imediato, durante a fiscalização, ou em 24 horas. Em caso de descumprimento da notificação, o responsável estará sujeito a outras sanções previstas em lei, como aplicação de multas, apreensões dos bens ou até cancelamento imediato da licença ou autorização”, declarou o órgão.

No caso dos cavaletes e outros objetos que obstruem a passagem, todos são passíveis de apreensão em caso de inobservância do Código de Postura, reforça o Implurb.

Referente à normatização, licenciamento e sanções sobre engenhos publicitários, o Instituto informa que se baseia diretamente no Código de Postura de Manaus (Lei Complementar 005, de 15 de janeiro de 2014), instituída no Plano Diretor.

O Implurb ressalta que a população pode colaborar com o trabalho de fiscalização denunciando as infrações. Neste caso o Instituto Municipal de Planejamento Urbano trabalha com três procedimentos para o recebimento das denúncias: o Disk Ordem através do 161, no telefone (92) 3625-5340 ou o cidadão pode registrar a denúncia em horário comercial no próprio atendimento do Instituto (na sede do próprio Implurb, na avenida Brasil, 2971, Compensa, Zona Oeste), que, posteriormente, será encaminhado ao setor responsável.

Publicidade
Publicidade