Publicidade
Manaus
Manaus

Plano de Saneamento Básico para Manaus será ajustado até 3 de outubro

A concessionária Manaus Ambiental tem até essa data para apresentar à Prefeitura de Manaus novas metas para a melhoria no sistema 11/09/2014 às 08:33
Show 1
O plano de saneamento contempla o planejamento de longo prazo para investimentos em obras de abastecimento de água potável, coleta e tratamento de esgoto
ROSIENE CARVALHO Manaus (AM)

O Plano de Saneamento Básico para Manaus, cuja aprovação foi publicada em decreto no Diário Oficial do Município (DOM) de 8 de setembro e estabelece  como meta a ampliação e a adesão ao sistema de abastecimento e de esgoto na cidade, deve passar por novos ajustes até 3 outubro. A informação foi dada pelo presidente da Unidade Gestora de Água de Manaus, Sérgio Elias.

No dia 3 de outubro termina o prazo para que a concessionária Manaus Ambiental apresente à Prefeitura de Manaus novas metas para a melhoria no sistema com base em ajustes de obrigações que terá de deixar de cumprir após a entrada em funcionamento do Programa Águas para Manaus (Proama) - estação de captação que ampliou o abastecimento  de água nas Zonas Norte e Leste de Manaus.

No plano, a meta é que a adesão, que hoje é de 66,95%, alcance 80% em 2045. Para Sérgio Elias, essa meta antes concebida com a ideia de longo prazo pode ser ajustada para curto prazo por causa da entrada em funcionamento do Proama. “A questão é que, antes do Proama, quase toda a cidade  tinha rede de distribuição, mas não tinha água. Com o Proama, as pessoas tem água, mas nem sempre querem aderir ao sistema por desconfiança. Mas com o passar dos meses desde a entrada em funcionamento, adesão foi crescendo”, declarou.

Estatísticas

Quando o Plano de Saneamento Básico foi concluído, em fevereiro deste ano, os dados indicavam que a adesão ao sistema de fornecimento de água era de 66,95%.  “Sendo diferenciado entre a área do Proama, que apresenta uma adesão de apenas 45,29%, enquanto que as demais áreas apresentam um nível de adesão de 74,90%”, diz trecho do Plano de Saneamento.

Sérgio Elias afirma que os números mudaram e que, por  a Manaus Ambiental estar isentade investir nessa área, houve necessidade de ajustes para que a concessionária foque na melhoria das metas em relação à esgoto.

De acordo com Sérgio Elias, a meta anterior era de 85% de cobertura até 2045. “Consideramos que agora podemos antecipar isso em 15 anos. Queremos essa meta para 2030. Isso é um grande ganho que a entrada e bom funcionamento do Proama nos proporcionou”, declarou.

Sérgio Elias afirmou que o principal objetivo do Plano de Saneamento Básico é universalizar o acesso à rede de abastecimento de água e ao sistema de esgoto. “Há uma grande resistência da população de adesão ao esgoto. As pessoas não querem pagar. Mas precisam aderir para não causa prejuízos ao meio ambiente”, declarou.

Mais hidrômetros é outra meta

Outra meta estabelecida no Plano de Saneamento Básico é aumentar a instalação de hidrômetros (aparelho usado para medir o consumo de água nas residências). De acordo com o diretor da Unidade Gestora de Água, Sérgio Elias, os condomínios construídos antes da ampliação da rede de abastecimento não fazem parte do sistema e não pagam taxa de uso da água.

Na avaliação dele, isso prejudica, por exemplo, a implantação da tarifa social, que é cobrança de tarifas diferenciadas a famílias com renda econômica diferentes.  “A tarifa social ainda não está dentro do ideal. Esperamos atingir 120 mil famílias. Aqueles condomínios que usam água de poço precisam aderir ao sistema também”, declarou Sérgio Elias.


Publicidade
Publicidade