Publicidade
Manaus
Manaus

Plano Diretor propõe aumento para 25 andares na construção de novos edifícios na orla de Manaus

Presidentes do Conselho de Arquitetura e do Iaci contestam proposta do Implurb de aumentar altura de prédios para 25 andares 23/08/2013 às 09:06
Show 1
Presidente do Iaci, Hamilton Leão, levanta a tese de que o aumento de pavimentos dos prédios influência o clima da cidade
kleiton renzo ---

O aumento para 25 andares na construção de novos edifícios na orla de Manaus, proposto pelo anteprojeto do Plano Diretor do Município, que está em tramitação na Câmara Municipal de Manaus (CMM), foi criticado ontem pelo presidente do Conselho Estadual de Arquitetura e Urbanisno (CAU-AM), Jaime Kuck, e pelo presidente do Instituto Amazônico da Cidadania (Iaci), Hamilton Leão.

Na terça-feira (27), serão divulgadas pelo presidente da Comissão Especial do Plano Diretor, vereador Sildomar Abtibol (PSD), as datas das audiências públicas para debater o anteprojeto. Os representantes do Conselho Regional de Arquitetura e o Iaci afirmaram ontem que vão contestar, nas audiências, o aumento dos pavimentos.

Kuck chamou de “privatização” a abertura dada pela Prefeitura de Manaus às construtoras para explorar prédios mais altos na orla da cidade. “A questão toda não é se a cidade aguenta ou não prédios mais altos. O problema é a privatização da orla que deveria ser cada vez mais democratizada. Nós temos uma relação tradicional com a água e prédios de 25 pavimentos, certamente, podem influenciar no sentido de privatizar a orla com condomínios ”, disse Kuck.

Para Hamilton Leão, do Iaci, os vereadores precisam incluir as universidades e institutos de pesquisa nas próximas discussões e abrir o plano diretor para um debate mais técnico e menos político. “É fundamental o papel da população nesses debates e mais ainda o papel das instituições de ensino superior, UFAM, UEA, e universidades particulares. É preciso envolver ainda o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia(INPA). Existem estudos que demonstram que os prédios cada dia mais altos e concentrados estão diretamente ligados ao aumento da temperatura e às ilhas de calor”, afirmou o ativista social.

De acordo com Abtibol, hoje finaliza as reuniões dos vereadores da Comissão Especial com os técnicos do Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb). “Foram quatro dias onde os técnicos explicaram as mudanças que foram feitas no documento. Era para terminarmos hoje (ontem) mas achamos melhor estender em mais um dia para que não fique dúvidas”, disse o vereador.

O vereador não quis comentar a polêmica gerada pelas medidas propostas no anteprojeto, mas afirmou que o documento deverá sofrer alterações. “Isso ainda é um anteprojeto e estamos trabalhando para ser votado até dezembro. Até lá faremos sete audiências para cada lei e uma audiência de todo o anteprojeto, além de abrir prazo para que novas propostas sejam apresentadas”, afirmou Abtibol.


Publicidade
Publicidade