Publicidade
Manaus
ÁRVORES

Poda inadequada compromete palmeiras do tipo ‘Caiaué’ no CSU Parque Dez

Após o serviço feito pela da Semmas e Semulsp, as palmeiras consideradas importante tipo arbóreo ficaram apenas com quatro ou seis palmas da folhagem 08/06/2016 às 11:34 - Atualizado em 08/06/2016 às 17:41
Show 1092388
Palmeiras da espécie Caiaué (Dendê da Amazônia) sofreram danos durante o manejo, segundo moradores e ativistas (Antônio Lima)
Náferson Cruz Manaus (AM)

Grupo de ativistas e parte dos moradores das proximidades do Centro Social Urbano (CSU) do Parque Dez, na Zona Centro-Sul, denunciaram a poda irregular das palmeiras tipo Caiaué (Dendê da Amazônia), deixando as espécies arbóreas, quase que depenadas.

Após o serviço feito pela da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) e da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), as palmeiras consideradas importante tipo arbóreo do CSU, ficaram apenas com quatro ou seis palmas da folhagem.

Na observação do morador das proximidades do CSU, Matheus Mota, 28, não houve um direcionamento correto no manejo e corte da espécie, tendo em vista, que são árvores incomuns para aquela área da cidade. “Espero que a poda não cause danos a espécie”, comentou.

Segundo um outro morador que preferiu não se identificar, em vez de retirarem apenas as folhagens secas, estão retirando todo o maciço da copa das palmeiras. “É lamentável a forma como tratam nossas árvores, quando estas deveriam ter atenção especial em seu manejo”, disse o morador.

Conforme informações do ativista Keyce Jhonnes, existe uma norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que a Sociedade Brasileira de Arborização Urbana (SBAU), ajudou a desenvolver.

Segundo ele, as palmas surgem no sentido vertical, com o desenvolvimento vão crescendo e quando deixam de estar no sentido horizontal, já podem ser retiradas. O processo gira em torno de 15 a 20% das palmas. “O CSU está passando por uma reforma geral, aí pode ser que estejam manipulando essas árvores”, completou o ativista.

Posição

A prefeitura de Manaus por meio da Semmas, informou que o trabalho que está sendo realizado no interior do CSU do Parque Dez, segue os critérios estabelecidos no Plano Diretor de Arborização Urbana de Manaus.

A Semmas ressaltou ainda que o trabalho está sendo realizado em todo o CSU e segue os padrões das ações de manejo sistemáticas que a Prefeitura de Manaus, realiza em toda a capital amazonense.

Projeto deve ir à votação

No próximos dias, o Projeto de Lei que altera a Lei de Aquicultura deve ir à votação, em caráter de urgência. A proposta é de alteração de quatro artigos da Lei nº 4.330, de 30 de maio de 2016. A norma disciplina a atividade de aquicultura no Estado e dá outras providências.

O Governo do Estado comunica que o projeto chegou à Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) na última sexta-feira (3). A mudança da proposta ocorre nos artigos 7, 10, 24 e 25 deixando clara a proibição da introdução de espécies de peixes exóticos e barramento de cursos d’água para aquicultura. O cultivo de peixes no contexto alterado deve ser feito por meio de canal de derivação, observando o volume de água no local especificado e as espécies nativas da região que serão cultivadas, conforme regulamentação posterior.

Os demais dispositivos validados com a sociedade civil, da referida Lei, ficam mantidos em função do entendimento do Governo do Estado de que irão proporcionar os benefícios necessários às atividades da aquicultura desenvolvidas em viveiros escavados, semi-escavados, viveiros de barragem, açudes, tanques, fluxo contínuo, canais de igarapé, tanques de rede, entre outros dispositivos de criação, assegurando as salvaguardas ambientais necessárias e respeitando o amplo debate sobre o tema com a sociedade amazonense.

Programa ‘Arboriza Manaus’

O Arboriza Manaus é desenvolvido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) tem como meta realizar o plantio de mais de 10 mil mudas de árvores em logradouros públicos da cidade, com altura variando entre 1,80 m e 2 metros. Além das árvores, o logradouro recebeu também o plantio de mais de 500 espécies ornamentais, dentro do projeto paisagístico elaborado pela Semmas.

Um dos locais que recebeu a ação do Arboriza Manaus foi a Praça Raimundo Vinhote, no bairro Petrópolis, Zona Sul. O local foi beneficiado com a infraestrutura totalmente revitalizada, novos equipamentos públicos e todos os canteiros arborizados.

Publicidade
Publicidade