Publicidade
Manaus
INVESTIGAÇÃO

Polícia Civil descarta hipótese de latrocínio em morte de ex-deputado

O latrocínio, que é o crime de roubo seguido de morte, era a principal hipótese considerada pela Polícia Civil 04/05/2018 às 19:20 - Atualizado em 04/05/2018 às 20:34
Show adv
Foto: Divulgação
Vitor Gavirati Manaus (AM)

O delegado Adriano Felix, titular da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), descartou a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte) no caso do assassinato do ex-deputado estadual e advogado Armando de Oliveira Freitas, 79, ocorrido em Manaus na manhã desta sexta-feira (4). A exclusão da principal hipótese para o caso foi confirmada pela assessoria de comunicação da Polícia Civil.

Armando foi atingido com três tiros dentro do próprio escritório de advocacia, localizado na rua Presidente Dutra, bairro Glória, Zona Oeste da capital.

A reportagem do Portal A Crítica tentou entrar em contato com o delegado Adriano Felix para que ele explicasse o porquê do descarte, mas não obteve sucesso até a publicação desta matéria.

Em nota, a assessoria da Polícia Civil afirmou que a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) segue com as investigações do caso em parceria com a Derfd, apesar de a hipótese de latrocínio ter sido descartada.

“As equipes da especializada (DEHS) estiveram no local fazendo levantamento das informações preliminares e, inicialmente, surgiu a hipótese do crime se tratar de um latrocínio e, por conta disso, as equipes da Derfd foram acionadas para auxiliar nas investigações. O delegado Adriano Felix, titular da Derfd, informou que, após algumas diligências foi descartada a hipótese do latrocínio, mas que as equipes da Derfd seguem auxiliando a DEHS nas investigações com intuito de descobrir a motivação do delito, além de identificar e prender os autores do crime”, diz trecho da nota.

Crime

Na nota divulgada para a imprensa, a Polícia Civil também afirma que a possível arma utilizada no crime já foi encontrada e foi encaminhada para perícia. Além disso, segundo o comunicado, mais de uma pessoa está envolvida no crime.

“O adjunto da DEHS (Rodrigo Azevedo) disse que após o delito, durante a fuga do local um dos infratores deixou cair um revólver calibre 38 que, possivelmente, tenha sido utilizado na morte do idoso. A autoridade policial informou que a arma foi encaminhada para perícia técnica”, afirma a Polícia Civil.

Armando foi levado para o hospital

Após ser baleado, o advogado Armando Freitas foi socorrido e levado ainda com vida para o Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto, mas ele não resistiu. O filho de Armando, o também advogado Glen Wilde do Lago Freitas, contou à reportagem do Portal A Crítica como tudo aconteceu.

“Eu estava na parte debaixo e ouvi os disparos. Depois meu pai gritou ‘Glen, me mataram’. Foram três tiros. Tenho certeza que o crime foi encomendado. Os criminosos estavam esperando meu pai chegar”, afirmou Wilde. “Eu logo socorri o meu pai e trouxe para o hospital. Não sei o que aconteceu, minha família está muito abalada. Vi um homem correndo, mas não consegui o identificar”, completou.

Enterro

O corpo de Armando de Oliveira Freitas será velado, a partir das 20h, na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), no bairro Parque Dez, na Zona Centro-Sul de Manaus. Inicialmente, o velório estava previsto para iniciar às 18h de hoje. O enterro acontece neste sábado (5), a partir das 16h30, no cemitério São João Batista, localizado na Av. Boulevard Álvaro Maia, também na Zona Centro-Sul da capital.

Publicidade
Publicidade