Publicidade
Manaus
UNIVERSITÁRIA

Polícia Civil investiga universitária suspeita de matar e arrancar coração de cadela

A própria Delegacia do Meio Ambiente fez B.O sobre o caso. Segundo delegado, só retirar o órgão do cão já morto é maus tratos 25/05/2017 às 16:53 - Atualizado em 25/05/2017 às 17:13
Show 77
Foto: Divulgação
Vinicius Leal Manaus (AM)

A Polícia Civil do Amazonas abriu uma investigação sobre a universitária de Manaus, de um curso de Veterinária de uma faculdade particular, suspeita de matar e arrancar o coração do cachorro dela para estudos. O caso ganhou grande repercussão porque a própria estudante publicou nas redes sociais fotos do ato confirmando ter retirado o órgão do animal já morto. Porém, a suspeita é que ela tenha tirado a vida do cão.

Segundo o delegado Ricardo Romero, titular adjunto da Delegacia de Crimes contra o Meio Ambiente (Dema), só arrancar o coração do cão já morto é considerado maus tratos. “Nós mesmos fizemos o Boletim de Ocorrência (B.O) a partir das imagens que circularam nas redes sociais e dos comentários na cidade. É um caso que gerou grande impacto”, afirmou Romero. “Mas ainda não temos informações. Estamos fazendo o levantamento do nome e do endereço da pessoa”, disse.

Conforme o delegado, ainda não se pode afirmar se universitária realmente matou o cachorro ou se apenas arrancou o coração dele já em óbito. “Está previsto no código ambiental. É tipificado como maus tratos (arrancar o órgão). Mas não posso me precipitar. Preciso conversar com ela. Só quando ela comparecer à delegacia nós poderemos saber a gravidade da ocorrência, se ela fez com o animal morto ou se ela matou”, explicou.

Além do depoimento da possível autora do crime, o delegado Ricardo Romero também pode solicitar o depoimento de colegas de turma da suspeita. “Se houve o cometimento do crime, possivelmente não houve testemunha. Mas antes precisamos levantar o que realmente aconteceu antes de supor qualquer coisa”, afirmou a autoridade policial.

Suspensa da faculdade

Devido à gravidade do caso, a estudante de Veterinária foi suspensa faculdade em que estuda. “Ela foi chamada, interrogada e suspensa. Isso é completamente absurdo e fora de qualquer padrão de ética ensinado em sala de aula. Ela é uma aluna de 1º período e praticou o ato na casa dela, fora do ambiente acadêmico, sob a vontade dela e fora de qualquer princípio institucional”, afirmou Karina Castro, coordenadora jurídica da faculdade.

Conforme a coordenadora, a aluna pode ainda ser expulsa do curso de Veterinária. “Ela foi suspensa por normas internas, mas dependendo da repercussão e de como isso vai se desenrolar, podemos tomar outra medida, como a expulsão dela. A gente está tomando todo o cuidado, porque isso também está causando problema para os nossos alunos”, completou Karina Castro.

Arrancou coração

A universitária utilizou as redes sociais para divulgar com fotos que tinha arrancado o coração da cadela de estimação para estudos de experimento. “Como infelizmente minha cachorra morreu, e estou estudando sistema cardíaco, então tirei o coração dela para my (sic) estudar... Eu mesmo. Fiz esse serviço hahahahah sem medo... Amoooo........ coisa de Deus (sic)”, escreveu a estudante.

Após a postagem ser feita, várias pessoas denunciaram o caso à vereadora Joana D’Arc, que trabalha em defesa das causas animais e é presidente da ONG Pata Manaus. Segundo a vereadora, existem relatos de que a própria aluna teria tirado a vida do cachorro com uma faca e retirado o coração. “Já temos relatos que ela teria matado o cachorro, pois tinha divulgado no WhatsApp um vídeo mostrando todas as ações para os amigos. Mas por conta da grande repercussão que o caso tem gerado, ela pediu que apagassem”, disse.

Publicidade
Publicidade