Publicidade
Manaus
NA JUSTIÇA

Polícia Civil pede prisão preventiva de suspeitos de matar cirurgiã-dentista

Alcivandra de Souza Almada, 35, quebrou o pescoço ao cair de motocicleta após suspeitos arremessarem pedaço de madeira para roubá-la 05/11/2018 às 19:44
Show dentista 60feb679 ff2b 4b69 84bb 2d15c0b1e04d
Alcivandra de Souza Almada, 35. Foto: Divulgação
Fábio Oliveira Manaus (AM)

A Polícia Civil solicitou da Justiça do Amazonas mandados de prisão preventiva contra quatro suspeitos de envolvimento na morte da cirurgiã-dentista Alcivandra de Souza Almada, 35, assassinada no dia 13 de outubro deste ano, em Maués, interior do Amazonas. A informação é do delegado titular da 48º Delegacia do município, Jardel Oliveira.

De acordo com o delegado, três dos suspeitos são maiores de idade e um é menor, porém todos conhecidos no município por praticarem crimes como furtos e roubos. Segundo Oliveira, no dia do crime, um deles havia completado 18 anos um dia antes do latrocínio (roubo seguido de morte). A dentista foi morta ao voltar de um aniversário.

Ela e uma amiga retornavam de motocicleta para casa, quando foram atingidas por um pedaço de madeira que foi arremessado na direção do veículo, fazendo com que as duas caíssem. Na época, o capitão da Polícia Militar, Laurênio Silva, contou que Alcivandra morreu ao cair da moto e quebrar o pescoço. Os suspeitos fugiram levando apenas um celular, que pertencia à amiga dela.

No dia do crime, o celular da dentista estava escondido nas roupas íntimas dela e por conta disso os suspeitos acabaram não localizando o aparelho. O delegado Jardel Oliveira afirmou que aguarda apenas a decisão da Justiça para cumprir os mandados contra os suspeitos, que ainda não possuem paradeiro. Oliveira destacou que foi um crime fútil.

“Eles (suspeitos) escolheram essa vida (do crime), todos foram identificados e vão ser presos. Já foram solicitados os pedidos de prisão preventiva e estou aguardando o Judiciário. Eles tiraram a vida gratuitamente de uma moça”, explicou o titular da 48ª Delegacia de Polícia de Maués. Sete dias após o crime, vários moradores do município fizeram manifestação na região.

Publicidade
Publicidade