Publicidade
Manaus
FLAGRANTE

Polícia Civil prende locatário de gráfica por furto de energia na Cachoeirinha

Unidade Consumidora estava em nome da proprietária do estabelecimento e apresentava status desligado desde o ano de 2012. Prisão aconteceu na manhã desta quarta-feira (18) 18/07/2018 às 17:47 - Atualizado em 18/07/2018 às 17:48
Show whatsapp image 2018 07 18 at 17.25.29
acritica.com Manaus (AM)

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da equipe de investigação da Delegacia Especializada em Combate ao Furto de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS), sob o comando do delegado Thomaz Vasconcelos, titular da unidade policial, prendeu em flagrante, na manhã desta quarta-feira (18/7), por volta das 10h30, Lucimar Gonçalves da Silva, 49, após os policiais civis identificarem furto de energia em um imóvel alugado pelo infrator, onde funcionava uma gráfica. 

De acordo com a autoridade policial, a equipe da DECFS acompanhou a equipe de fiscais da Eletrobras Amazonas Energia para executar uma ordem de serviço em uma gráfica, situada na avenida Manicoré, bairro Cachoeirinha, zona sul da capital. Conforme o delegado, a Unidade Consumidora estava em nome da proprietária do estabelecimento e apresentava status desligado desde o ano de 2012. 

“No local fomos recebidos por um funcionário e em seguida chegou Lucimar, locatário da gráfica. Ele nos informou que o imóvel estava arrendado para ele desde dezembro de 2017. Durante inspeção foi verificado que havia uma caixa de medição sem medidor de energia, com ligação trifásica, ligada à rede da concessionária de energia de forma direta à rede de abastecimento. Dessa forma, foi caracterizado furto de energia”, explicou o titular da DECFS.

Vasconcelos esclareceu que após a constatação do delito, o fornecimento de energia foi interrompido e as fiações retiradas do poste. Posteriormente foi aplicado o Termo de Ocorrência de Inspeção (TOI). Lucimar foi autuado em flagrante por furto de energia. A autoridade policial arbitrou ao infrator fiança no valor de R$ 2 mil. O pagamento foi efetuado e ao término dos procedimentos cabíveis na especializada, o homem foi liberado para responder pelo crime em liberdade.

Publicidade
Publicidade