Publicidade
Manaus
ROUBO

Polícia Civil procura armas roubadas de loja no Centro de Manaus

Bandidos renderam funcionário pegaram 16 pistolas, duas espingardas, um revólver, 3,2 mil munições avaliados em R$ 80 mil 14/10/2017 às 18:59 - Atualizado em 14/10/2017 às 19:00
Show 1283463
Segundo o delegado-geral, já existem pistas de onde as armas estejam escondidas (Foto: Gilson Melo)
Joana Queiroz Manaus (AM)

O delegado-geral da Polícia Civil, Mariolino Brito, afirmou ontem que a polícia já tem pistas que podem levar ao paradeiro das armas que foram roubadas da loja Atacado Piau, da rua Leovegildo Coelho, no Centro, avaliadas me aproximadamente R$ 80 mil. “Só falta nós colocarmos as mãos nessas armas”, disse o delegado-geral.

Conforme Mariolino, foram roubadas 16 pistolas da marca Taurus, sendo 8 do calibre 638, duas 938 e cinco 838, além de três espingardas da marca Boito dos calibre 32, 36 e 28, e também um revólver Taurus calibre 32. Os ladrões levaram também 3.200 munições de calibres diversos e R$ 4,2 mil em dinheiro. De acordo com uma funcionária da loja, cada pistola custa em média de R$ 4 mil a R$ 5 mil.

Segundo Brito, a polícia fez um trabalho minucioso para chegar à elucidação do crime. Conforme o delegado, caso essas armas não sejam recuperadas, pode ser um desastre para a segurança, já que podem parar nas mãos de bandidos.

O boletim de ocorrência (BO) foi feito pelos donos da loja por volta das 18h30 da última segunda-feira. O funcionário da empresa, Bruno Cristiano dos Santos, que era o responsável pela chave do estabelecimento, trafegava em sua motocicleta pela avenida Brasil, no bairro Compensa, na Zona Oeste, quando foi abordado por quatro homens desconhecidos.

De acordo com Bruno Cristiano, dois dos homens usavam coletes da Polícia Civil e estavam em um veículo branco com placa e modelo não identificados, e o levaram para um local desconhecido, onde foi coagido pelos criminosos a entregar as chaves da loja, o celular, e os documentos da sua motocicleta, Honda Bross 150.

Investigações avançam Para efetuar o roubo, os bandidos usaram um carro Siena de placa PHM-O529. O mesmo, de acordo com as investigações, pertence a uma locadora de veículos da rua Leonardo Malcher, também no Centro. Segundo as investigações, a polícia está checando todas as informações que chegam, assim como as imagens das câmeras de segurança da loja para identificar os ladrões.

A polícia também está em busca de informações junto a locadora para identificar quem foram as pessoas que alugaram o carro usado no assalto. “A segurança está sendo bombardeada pelas armas que os traficantes fazem entrar pelas fronteiras, como os temíveis fuzis AK47 e as convencionais que entraram no mercado”, explicou Brito.

Armas sumiam de dentro do IC

Apesar de não apresentar estatísticas, diariamente a polícia apreende armas com bandidos. Essas armas são encaminhadas à perícia e depois passam ser peças dos inquérito que são encaminhados à Justiça. Quando o processo é transitado e julgado, as armas são encaminhadas ao Exército Brasileiro (EB) que é quem faz a destruição delas.

No ano passado, investigações da Corregedoria-Geral descobriram que as armas apreendidas pelas polícias Civis e Militares eram encaminhadas ao Instituto de Criminalística, mas não eram registradas como recebidas. Elas eram desviadas por servidores antes de chegarem ao setor de perícia.

Armas eram vendidas

A polícia chegou ao receptador que vendia as pistolas e revólveres apreendidos. Foram roubadas 22 armas de fogo entre 2015 e 2016, sendo 21 delas no plantão de uma mesma servidora. As armas eram vendidas por valores entre R$ 500 a R$ 1,2 mil à criminosos, conforme as investigações da polícia.

Publicidade
Publicidade