Publicidade
Manaus
Manaus

Polícia conta sobre tiroteios que mataram suspeitos da morte de PM segurança de Chico Preto

Segundo a PC, Marcelo Blanco da Silva e Frank Rodrigues Rocha, suspeitos de assassinarem a tiros o PM que fazia segurança para o candidato ao governo Chico Preto, foram mortos durante tiroteio com policiais nesta segunda-feira (12) 08/09/2014 às 19:55
Show 1
Delegado disse estar certo do envolvimento dos dois suspeitos na morte do PM José Cláudio
Lucas Jardim* Manaus (AM)

Na tarde desta segunda-feira (8), a Polícia Civil realizou uma coletiva para falar das circunstâncias dos tiroteios que mataram Marcelo Blanco da Silva, 26, e Frank Rodrigues Rocha, 35.

Eles eram suspeitos de terem assassinado durante um latrocínio, na última terça-feira (2), o sargento da Polícia Militar José Cláudio Marques da Silva, o “Cajú”, segurança do candidato a governador do Amazonas, deputado estadual Chico Preto (PMN).

O delegado Orlando Amaral, titular da Delegacia Especializada em Roubos e Furtos (DERF), informou que Marcelo estava na casa de Frank, onde dividiam o produto do roubo a uma distribuidora localizada no bairro Zumbi, Zona Leste de Manaus, realizado nesta manhã.

Segundo os policiais, Marcelo deixou o local em um táxi, que foi abordado por uma viatura da PM, momento em que ele teria entrado em conflito armado com os agentes e sido atingido.

Outro grupo de policiais foi atrás de Frank em sua casa. Lá chegando, também houve troca de tiros e Frank também acabou alvejado. Ambos foram conduzidos ao Hospital Pronto Socorro Dr. João Lúcio Pereira Machado, onde não resistiram aos ferimentos e vieram a óbito.

As investigações deram conta que Marcelo foi quem desceu da motocicleta e efetuou os disparos contra Caju e Frank dava cobertura à ação em um veículo estacionado perto da cena do crime.

Os suspeitos buscavam obter uma quantia retirada do banco pela mulher de Chico Preto mais cedo naquela terça-feira e acharam que o dinheiro teria sido repassado ao policial, mas ele só portava documentos quando foi morto.

Eles sabiam do dinheiro por conta de um olheiro que observou o saque no banco. O olheiro e o suspeito que dirigia a moto em que estava Marcelo ainda não foram identificados e continuam foragidos.

*com informações do repórter Jhonny Lima

Publicidade
Publicidade