Publicidade
Manaus
Manaus

Polícia descarta sequestro e diz que gerente de cachaçaria fugiu com R$ 86 mil da empresa

Segundo a polícia, Pedro Marks Brito chegou a desligar várias câmeras do circuito, antes de ir até o cofre e pegar o dinheiro 02/01/2015 às 17:22
Show 1
A polícia acredita que Pedro tenha fugido para o interior do Estado
Kelly Melo Manaus (AM)

A Delegacia Especializa em Homicidios e Sequestros (DEHS) descartou a possibilidade de o gerente da Cachaçaria do Dedé ter sido sequestrado. De acordo com a polícia, Pedro Marks Brito furtou R$ 86 mil dos cofres do restaurante, mas teve ação flagrada por uma camera do circuito interno.

O dono do estabelecimento esteve na DEHS na tarde desta sexta-feira (2), onde registrou um Boletim de Ocorrência (BO) por furto. Ele também apresentou as imagens que mostram toda a ação do gerente.

Segundo a polícia, Pedro chegou a desligar várias câmeras do circuito, antes de ir até o cofre e pegar o dinheiro. Em seguida, ele deixou o estabelecimento sozinho. Os policiais acreditam que ele fugiu para o interior do estado.

Entenda o caso

A Polícia Civil iniciou as investigações do caso suspeitando que o gerente Pedro Marks Brito tivesse sido sequestrado na última quarta-feira (31), depois de sair da Cachaçaria do Dedé localizada no Shopping Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus, onde trabalhava, por volta de 20h.

A história teve repercussão nas redes sociais Facebook e Whatsapp quando uma imagem informando o desaparecimento de Pedro foi divulgada. Familiares contam que ele saiu do local de trabalho, foi para a casa da mãe dele, no Conjunto Eldorado, Zona Centro-Sul, e ao sair para passar o Réveillon com a mulher não foi mais visto.

Em sua página no Facebook, Dayane Brito, esposa de Pedro, informou que foi até o trabalho do marido na manhã desta sexta-feira (2) para buscar esclarecimento ou informações sobre o rapaz. “A Cachacaria do Dedé estará fazendo uma verificação pelas para tentar apurar os fatos. Oremos para que tudo se resolva. Deus está na frente de tudo”, escreveu. 

Em outra mensagem, ela demonstrou muita aflição e cobrou respostas. “Quem quiser me ajuda e me dar apoio, amanhã em frente ao Shopping Ponta Negra, já que a delegacia só pode me atender segunda feira. Conto com vocês. Que justiça é essa? Meu marido é um homem honesto e creio que ele está vivo em algum lugar precisando de ajuda”, desabafou. 

A assessoria de comunicação da Polícia Civil informou que casos de desaparecimento devem ser registrados na Delegacia Especializada de Ordem Política e Social (Deops), mas que o local não funciona em regime de plantão e só reabrirá na próxima segunda-feira (5). 

O Shopping Ponta Negra informou, por meio de nota enviada à imprensa, que estão à disposição da Secretaria de Segurança Pública as imagens do circuito interno do centro de compras, com o objetivo de contribuir para as investigações da ocorrência na Cachaçaria do Dedé. A gerência destaca que, pelas imagens, tudo indica que não houve sequestro nas dependências do shopping. O centro de compras possui uma Central de Monitoramento 24hs de CFTV (Circuito Fechado de TV) e todo o sistema é digital.

O empreendimento segue com seu horário de funcionamento padrão, das 10h às 22h. "Assim que a gerência do shopping foi notificada do ocorrido, tomou todas as providências para ajudar na elucidação do caso. Além dos registros das câmeras do shopping, que estão disponíveis, a gerência acionou o serviço de informática do empreendimento, que recuperou as imagens das câmeras instaladas dentro da Cachaçaria do Dedé. Por essas imagens, fica claro que não houve a entrada de pessoas estranhas ao estabelecimento e também que não houve sequestro. A ação foi empreendida por funcionário do próprio restaurante", completa a nota.


Publicidade
Publicidade