Publicidade
Manaus
Manaus

Polícia identifica pais de recém-nascido abandonado em beco na Zona Oeste, em Manaus

Pai se apresentou à polícia na segunda (13) e afirma que não sabia da gravidez da esposa. Mãe de 27 anos está internada na Maternidade Moura Tapajós e será indiciada por abandono de incapaz, diz delegada 15/10/2014 às 19:37
Show 1
Bebê recebeu nome de "Pedro" pelas enfermeiras
PERLA SOARES Manaus (AM)

Foram identificados os pais do bebê que foi encontrado na manhã da última segunda-feira (13) no bairro da Compensa 2, Zona Oeste, envolvida em um pano e ainda com a placenta. A criança é filho de um autônomo de 26 anos, e de uma dona de casa de 27, que não tiveram os nomes divulgados. O homem se apresentou no final da tarde de segunda-feira (13) informando que era o pai do bebê encontrado.

Segundo a delegada titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Linda Gláucia, em depoimento o pai disse que não sabia que a esposa estava grávida e que não ocasião estava no trabalho, onde teria recebido uma ligação anônima no meio da tarde informando que o bebê dele havia sido encontrado.

“Ele foi para casa conversar com a esposa, para irem até maternidade fazer exames para provar que o filho não era deles, que a esposa dele não estava grávida”, disse a delegada.

Ainda em depoimento o pai informou que ao convidar a esposa para irem a maternidade, ela se recusou a ir. Porém no final da tarde, ela passou mal, e acabou indo à Maternidade Moura Tapajós. Chegando lá, a mulher confessou que o filho era deles.

Ainda segundo a delegada, a mãe da  criança vai ser indiciada pelo crime de abandono de incapaz, sendo que a pena pode variar de seis meses a três anos de detenção. O pai não deve responder pelo crime. “Ele afirmou que não sabia que a esposa dele estava grávida e que sua mulher estava engordando devido ao anticoncepcional que estava tomando”.

Conforme Linda Gláucia, a dona de casa irá responder em liberdade. O bebê, que recebeu o nome de “Pedro” pelas enfermeiras, será submetido a exame de DNA ainda no hospital. Em seguida, ele será encaminhado ao Sistema de Acolhimento Institucional (SAI), responsável por decidir o destino da criança. 

Publicidade
Publicidade